Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/10033
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.advisorCuzzuol, Geraldo Rogério Faustini-
dc.date.accessioned2018-08-02T00:16:42Z-
dc.date.available2018-08-01-
dc.date.available2018-08-02T00:16:42Z-
dc.identifier.urihttp://repositorio.ufes.br/handle/10/10033-
dc.publisherUniversidade Federal do Espírito Santopor
dc.titleCARACTERIZAÇÃO MORFOFISIOLÓGICA E BIOQUÍMICA DE TRÊS MORFOTIPOS DE Paubrasilia echinata LAM. EXPOSTOS A CONDIÇÕES DE IRRADIÂNCIApor
dc.typedoctoralThesisen
dc.subject.udc57-
dc.subject.br-rjbnQuímica vegetal.por
dc.subject.br-rjbnPlantas - Efeito da luz.por
dc.subject.br-rjbnMorfologia vegetal.por
dc.subject.br-rjbnFisiologia vegetal.por
dc.subject.br-rjbnPau-brasil.por
dc.subject.br-rjbnRadiação ultravioleta.por
dcterms.abstractOs relatos contraditórios quanto às adaptações funcionais sob irradiância do pau-brasil (Paubrasilia echinata Lam.) podem ter relação com a divergência morfológica refletida por variações genéticas entre populações desta espécie. Este fato dificulta uma classificação precisa deste vegetal para propagação e manutenção de mudas, bem como reintrodução ex situ à floresta atlântica brasileira. Com o intuito de fornecer informações mais precisas para a conservação e promoção de manejos florestais mais adequados com P. echinata, o objetivo deste trabalho foi caracterizar as respostas morfofisiológicas e bioquímicas de três morfotipos de pau-brasil: o pequeno (SV small variant), médio (MV medium variant) e grande (LV large variant), em relação à irradiância. Em um primeiro trabalho realizaram-se medidas de crescimento, trocas gasosas, teores de compostos fenólicos, atividade de enzimas antioxidantes (CAT, APX, POD e PPO) e concentração de auxinas totais dos três morfotipos sob 100% e 15% de irradiância. Registrou-se que o metabolismo secundário, o processo antioxidativo, os parâmetros da fotossíntese e crescimento apontam o LV e o MV como variações morfológicas com tendências para plantas heliófilas. Diferentemente do SV que se apresentou tendente à umbrófila. Essa divergência adaptativa sob a alta irradiância entre os morfotipos de pau-brasil instigaram o desenvolvimento de um segundo trabalho, buscando avaliar os efeitos da suplementação da radiação UV-B incidente a um morfotipo heliófilo, o MV e um umbrófilo, o SV. Para isso, realizaram-se medidas de crescimento, fotossíntese, teores de compostos de absorção do UV, carboidratos estruturais e não estruturais, bem como quantificação de teores de peróxido de hidrogênio e malonaldeído (MDA). O efeito da UV-B mostrou-se positivo no MV, uma vez que melhorou sua eficiência fotoquímica e otimizou suas trocas gasosas e crescimento. A incidência de UV-B causou efeitos adaptativos em MV que se apresentou com alto grau de tolerância a essa radiação. Este fato pode ser explicado pelo comportamento heliófilo deste morfotipo, com tolerância a ambientes com prevalência de alta irradiância ricos em UV. Pro outro lado, a incidência da radiação estimulou efeitos fotoinibitórios no SV, que apresentou menor crescimento, menor taxa fotossintética e alta respiração. O aumento dos teores de peróxido de hidrogênio estimularam danos oxidativos em SV traduzidos visivelmente em áreas cloróticas foliares que evoluíram para necrose e abscisão foliar. Partindo de relatos de trabalhos florísticos já publicados quanto à incidência natural dos morfotipos de P. echinata, observa-se que o SV pode ser encontrado, predominantemente, em matas umbrófilas densas ou matas de tabuleiro com alto sombreamento; enquanto o MV e o LV podem ser encontrados em regiões com prevalência de matas mais abertas, com mais clareiras e maior irradiância. Conclui-se que as diferenças exibidas pelos três morfotipos de pau-brasil quanto à irradiância contrastante e à exposição da radiação ultravioleta-B (UV-B) apresentadas neste trabalho parecem refletir as condições preponderantes de seus centros de origem. Neste sentido, sugere-se a utilização do SV, com características umbrófilas, para recuperação de áreas de mata atlântica mais densa, com prevalência em regiões pluviais e litorâneas úmidas. Já quanto ao MV e ao LV, recomenda-se seus plantios em matas estacionais deciduais e semideciduais da floresta atlântica, com prevalência de clareiras e altas irradiâncias. Palavras-chave: Bioquímica vegetal luminosidade morfofisiologia vegetal pau-brasil ultravioleta-B.por
dcterms.abstractThe contradictory reports about the functional Responses of brazilwood (Paubrasilia echinata Lam.) in different light conditions, may be relation with genetic variations, which reflect on morphophysiological divergences among populations of this species. This fact makes it difficult to choose the variants of this species to propagation and maintenance of seedlings, as well as its ex situ reintroduction to the Brazilian Atlantic Forest. With the purpose of provide precise information about the conservation and promotion of the most appropriate forest management with P. echinata, the study sought to characterize the morphophysiological and biochemical responses of three brazilwood morphotypes: small variant (SV), medium variant (MV) and large variant (LV) in relation to light. In a first work, growth, gas exchange, phenolic compound content, antioxidant enzyme activity (CAT, APX, POD and PPO) and total auxin concentration of the three morphotypes were performed under 100% and 15% light. It was observed that secondary metabolism, antioxidative process, photosynthesis and growth parameters indicate LV and MV as morphological variations with tendencies for heliophilous plants. Differently from SV, which presented umbrophilous tendencies. These different responses of brazilwood morphotypes under high incidence of light, instigated the development of a second work, Which sought to evaluate the effects of supplementation of UV-B incident radiation on a heliophilous morphotype, MV, and umbrophilous, SV. For this, measurements of growth, photosynthesis, contents of UV absorption compounds, structural and non-structural carbohydrates, as well as quantification of hydrogen peroxide (H2O2) and malonaldehyde (MDA) contents were performed. The effect of UV-B was positive in MV, as it improved its photochemical efficiency and optimized its gas exchange and growth. The incidence of UV-B Provided acclimative responses in MV that presented with a high degree of tolerance to this radiation. This fact can be explained by the heliophilic behavior of this morphotype, with tolerance to environments with high UV irradiance prevalence. On the other hand, the incidence of radiation stimulated photoinhibitory effects in SV, which 11 presented lower growth, lower photosynthetic rate and high respiration. The increase of the hydrogen peroxide contents stimulated oxidative damages in SV visibly translated as foliar chlorotic areas that evolved to foliar necrosis and abscision. Based on floristics works reports already published about the natural incidence of the P. echinata morphotypes, it is observed that SV can be found in dense umbrophilous forests or high-shaded forest; while MV and LV can be found in regions with more open forest, with more clearings and greater irradiance. It is concluded that the differences between the three morphotypes of brazilwood in reference to the contrasting ligth and the exposure of ultraviolet-B (UV-B) radiation presented in this study seem to reflect the prevailing conditions of their centers of origin. Thus, it is suggested the use of SV, with umbrophilous characteristics, for the recovery of the Atlantic forest dense areas, with prevalence in wet and coastal regions. In contrast, it is recommended the plantation of MV and LV in the Atlantic forest deciduous and semideciduous seasonal areas, with prevalence of clearings and high irradianceseng
dcterms.creatorGama, Vinícius Novo-
dcterms.formattextpor
dcterms.issued2017-03-03-
dcterms.languageporpor
dcterms.subjectBioquímica vegetalpor
dcterms.subjectLuminosidadepor
dcterms.subjectMorfofisiologia vegetalpor
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Biologia Vegetalpor
dc.publisher.initialsUFESpor
dc.subject.cnpqCiências biológicaspor
dc.publisher.courseDoutorado em Biologia Vegetalpor
dc.contributor.refereeDaMatta, Fábio Murilo-
dc.contributor.refereePezzopane, José Eduardo Macedo-
dc.contributor.refereeMenezes, Luis Fernando Tavares de-
dc.contributor.refereeMielke, Marcelo Schramm-
Aparece nas coleções:PPGBV - Teses de doutorado

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
tese_10756_Tese Vinícius Novo Gama_final.pdf2.22 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.