Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/10118
Título: O parto na TV: um estudo a partir de um programa de jornalismo utilitário sobre saúde
Autor(es): ODOSHINA, M. H. G.
Orientador: OLIVEIRA, A. E.
Data do documento: 28-Jun-2017
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: ODOSHINA, M. H. G., O parto na TV: um estudo a partir de um programa de jornalismo utilitário sobre saúde
Resumo: O campo da Comunicação e Saúde é um campo desafiador, pois ao cruzar conceitos da Comunicação com conceitos da área da Saúde cria-se a necessidade de um diálogo entre especialistas de ambos os lados, a fim de convergirem para o estudo de um campo com muitas potencialidades. O trabalho apresentado nesta Dissertação analisou os vídeos relacionados ao parto veiculados pela mídia televisiva, nos anos de 2011 a 2016. O resultado da pesquisa é apresentado na forma de artigo que se trata de um estudo qualitativo cujo objetivo foi analisar como o parto é representado no programa Bem-Estar, um programa de jornalismo utilitário que aborda, especificamente, temas sobre saúde. A fim de verificar como a mídia tem discutido o tema e as questões que o permeiam, a discussão foi baseada na crítica à sociedade medicalizada que Ivan Illich faz em seu livro Nêmesis da medicina: a expropriação da saúde. Foi realizada uma Análise de Conteúdo do material empírico, dando origem a cinco categorias: o parto como mercadoria; a normalização da cesárea como modo de nascer; o efeito contraprodutivo das cesáreas; a alienação da dor e em busca da autonomia. A partir destas categorias foi realizada uma discussão sobre a medicalização do parto na sociedade moderna e suas consequências a nível individual e social. Concluiu-se que o cenário atual das práticas obstétricas é resultado de uma superprodução heterônoma médica que leva a uma e medicalização exacerbada a partir de uma classificação iatrogênica das etapas da vida. O excesso de tecnologias no manejo do parto apresenta consequências que perpassam fatores econômicos sociais e de saúde e que devem ser discutidos abertamente com a sociedade. Uma Comunicação efetiva e adequada acerca do assunto é fundamental para a recuperação do exercício da autonomia das mulheres em relação ao seu corpo e seus processos vitais.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/10118
Aparece nas coleções:PPGASC - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_11219_2015_MAIUMY.pdf6.09 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.