Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/10137
Título: DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO EXPERIMENTAL DE PÂNICO SITUACIONAL
Autor(es): PRADO, M. B.
Orientador: SCHENBERG, L. C.
Data do documento: 18-Jul-2018
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: PRADO, M. B., DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO EXPERIMENTAL DE PÂNICO SITUACIONAL
Resumo: Embora os ataques de pânico sejam similares ao medo, eles não são acompanhados da ativação do eixo hipotálamo-hipófise-adrenal (HHA). O eixo HHA está igualmente inativo no pânico experimental à estimulação elétrica da matéria cinzenta periaquedutal dorsal (MCPD). Como os glicocorticoides têm funções proeminentes na consolidação da memória, a quiescência/inibição do eixo HHA pode proteger o indivíduo contra o desenvolvimento de pânico situacional e da agorafobia. Portanto, o presente estudo examinou se a estimulação aversiva da MCPD suporta o condicionamento ao contexto da sua aplicação e se as respostas condicionadas são facilitadas pelo estresse de restrição (10 min) ou pela corticosterona (10 mg/kg, I.P.) aplicados 90 min ou imediatamente antes da sessão- teste. Para isto, os ratos foram submetidos a choques subcutâneos ou estimulações da MCPD e expostos ao respectivo contexto 7 dias após. Os pareamentos foram repetidos por 5 dias consecutivos. Surpreendentemente, enquanto os ratos submetidos ao choque apresentaram respostas robustas de congelamento em todas re-exposições, os ratos submetidos à estimulação da MCPD apresentaram um aumento expressivo da atividade (hiperatividade condicionada) que foi progressivamente atenuado ao longo das 5 exposições. Em contraste, não foram observados nem congelamento, nem hiperatividade nas re- exposições ao contexto da estimulação da MCPD em intervalos de 24 h. Notavelmente, enquanto a hiperatividade foi facilitada pelo estresse contíguo à re- exposição, ela foi abolida pelo estresse realizado 90 min antes. A corticosterona teve efeitos similares ao estresse. Estes resultados sugerem que o estresse contingente ao ataque de pânico favoreça o desenvolvimento do pânico situacional e, provavelmente, agorafobia.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/10137
Aparece nas coleções:PPGCF - Dissertações de Mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_12436_Dissertação Marinaldo Barbosa Prado.pdf1.53 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.