Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/10198
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.advisorSALAROLI, L. B.-
dc.date.accessioned2018-08-24T12:04:35Z-
dc.date.available2018-08-24-
dc.date.available2018-08-24T12:04:35Z-
dc.identifier.citationCATTAFESTA, M., Consumo Alimentar e Fatores Associados: um Estudo em Bancários.por
dc.identifier.urihttp://repositorio.ufes.br/handle/10/10198-
dc.publisherUniversidade Federal do Espírito Santopor
dc.titleConsumo Alimentar e Fatores Associados: um Estudo em Bancários.por
dc.typemasterThesisen
dc.contributor.memberRODRIGUES, M. C.-
dcterms.abstractResumo: O consumo alimentar e os hábitos de vida de trabalhadores são relevantes à capacidade produtiva devido a possibilidade de diminuir a incidência de doenças, de reduzir as taxas de absentismo, de aumentar a produtividade e de reduzir custos na saúde. Entretanto, os estudos que avaliam o consumo alimentar nestas condições são escassos na literatura científica. Dessa forma, o objetivo desta dissertação foi avaliar o consumo alimentar de um grupo de bancários, e a associação com fatores socioeconômicos, comportamentais, laborais e da condição de saúde. Trata-se de um estudo observacional e transversal com funcionários de uma rede bancária da Grande Vitória/ES/BR. Empregou-se a análise de componentes principais com rotação varimax para determinação dos padrões alimentares. Foram identificados três padrões alimentares: hortaliças, frutas, cereais e tubérculos, doces e petiscos e tradicional e proteico. O primeiro padrão associou-se positivamente com hábito de raramente trocar o almoço por lanche, fazer cinco ou mais refeições ao dia, não consumir temperos industrializados, menor prevalência de Síndrome Metabólica e níveis mais baixos de triglicerídeos e obesidade abdominal. Já os padrões doces e petiscos e tradicional e proteico mostraram associações inversas às encontradas no padrão mais saudável. O padrão doces e petiscos também se associou diretamente ao hábito de trocar o almoço por lanche de 1 a 4 vezes na semana, comer em restaurante de 1 a 3 vezes ao dia, não usar adoçante, usar o saleiro à mesa, usar temperos industrializados e ter escolaridade mais elevada. O padrão alimentar tradicional e proteico esteve associado ao fato de realizar quatro ou menos refeições ao dia, não usar adoçantes, usar temperos industrializados e receber alto apoio social. Conclui-se que num grupo tão homogêneo de trabalhadores, os fatores socioeconômicos pouco se associaram com os padrões alimentares, entretanto foi possível identificar algumas influências do consumo alimentar nos aspectos antropométricos e de saúde destes bancários, sendo estes o perímetro da cintura, o triglicerídeo e a prevalência de Síndrome Metabólica. Palavras-chave: Padrões Alimentares. Consumo Alimentar. Trabalhadores. Saúde do Trabalhador. Condições de Saúde. Categoria de Trabalhadores. Bancários.por
dcterms.creatorCATTAFESTA, M.-
dcterms.formatapplication/pdfpor
dcterms.issued2017-05-04-
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Nutrição e Saúdepor
dc.publisher.initialsUFESpor
dc.publisher.courseMestrado em Nutrição e Saúdepor
Aparece nas coleções:PPGNS - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_9355_Dissertação - Monica Cattafesta - FINAL20170808-132510.pdf
  Restricted Access
1.81 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir    Solictar uma cópia


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.