Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/10362
Título: A Concordância Verbal na Fala de Vitória
Autor(es): BENFICA, S. A.
Orientador: SCHERRE, M. M. P.
Data do documento: 29-Mar-2016
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: BENFICA, S. A., A Concordância Verbal na Fala de Vitória
Resumo: A proposta central desta pesquisa é analisar o fenômeno concordância verbal em primeira e terceira pessoa do plural no português falado na cidade de Vitória ES. Para tanto, utilizaremos os pressupostos teóricos da Sociolinguística Variacionista (LABOV, 2008 [1972]), a qual também é referência para inúmeros trabalhos sobre a concordância verbal variável nas mais diversas comunidades de fala do Brasil e do mundo. Os linguistas dessa área consideram que a língua é heterogênea e que há fatores de ordem linguística e social atuando sobre ela, o que faz com que ela manifeste tantas variações. É interesse nosso identificar estes fatores e compreender sua sistematização no que diz respeito a este fenômeno fortemente estereotipado. O desenvolvimento dessa pesquisa, a qual tem caráter quantitativo e qualitativo, se deu a partir da análise de entrevistas, extraídas de duas amostras de fala do português de Vitória: a primeira, de fala mais monitorada, é o Português falado na cidade de Vitória (Portvix), composto por 46 entrevistas tipicamente labovianas (YACOVENCO, 2009; 2012); a segunda, de fala casual, composta por três gravações (CALMON, 2010). Nossas análises estão mais focadas nas entrevistas de fala mais monitorada. Trataremos separadamente da concordância verbal variável em primeira e em terceira pessoa do plural, por considerarmos que são duas variáveis independentes com propriedades distintas. Para o tratamento estatístico dos dados de nossos corpora, utilizamos o programa Goldvarb X (SANKOFF; TAGLIAMONTE; SMITH, 2005). De um total global de 3616 ocorrências verbais, 521 são de primeira pessoa, apresentando 90,4% de casos com marcação de plural e 3095 são de terceira pessoa, apresentando 78,8% de casos com marcação de plural. Em geral, nossas análises reforçam a ideia de que terceira pessoa e primeira pessoa do plural são variáveis independentes distintas, o que se justifica, principalmente, por três razões: índice de incidência na fala, percentual global de concordância e significado social de cada uma. Mesmo assim, em ambas variáveis, os resultados apontam para uma mudança em direção à variante padrão, com maior incidência de concordância na fala dos mais jovens e mais escolarizados. Palavras-Chave: Concordância verbal. Terceira pessoa do plural. Primeira pessoa do plural. Fala de Vitória.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/10362
Aparece nas coleções:PPGEL - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_9737_Samine_dissertação20160817-145055.pdf1.26 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.