Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/10857
Título: Questão de gênero e MST : os coletivos de auto-organização das mulheres no Espírito Santo
Autor(es): Amaral, Maísa Maria Baptista Prates do
Orientador: Moreira, Renata Couto
Data do documento: 30-Ago-2018
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Resumo: Essa dissertação tem como objetivo analisar como os coletivos de auto-organização de mulheres do MST no Espírito Santo, contribuem para uma maior inserção feminina nos espaços sociais e políticos do próprio Movimento e para o avanço na questão de gênero e na superação da divisão sexual do trabalho. Temos, então, como objeto de análise, dois coletivos auto-organizados em torno da construção de duas agroindústrias em dois assentamentos diferentes: Camponesas do Assentamento Vale da Esperança, e As Camponesas, do Assentamento Florestan Fernandes. Para tanto, usamos como referencial teórico a Teoria Marxista da Dependência, que nos permite compreender a forma como a América Latina, e em específico o Brasil, se insere na divisão internacional do trabalho e como ocorre a transferência de valor das economias periféricas para as centrais, sendo a superexploração da força de trabalho a única forma das economias periféricas se desenvolverem. Assim, partindo desse referencial, buscamos compreender também como as relações de gênero e a divisão sexual do trabalho, enquanto funcionais ao capital, são vivenciadas por essas mulheres e o papel da auto-organização das mulheres do MST na tentativade mudança dessa realidade. Para tanto, utilizamos como o grupo focal como técnica de coleta de dados e a análise de conteúdo como técnica de análise de dados. As categorias teóricas que guiaram a nossa pesquisa e a nossa análise foram Dependência e Questão Agrária, Relações de Gênero e Divisão Sexual do Trabalho.
This dissertation aims at analyzing how the MST women's self-organization groups in Espírito Santo contribute to a greater insertion of women in the social and political spaces of the Movement itself and to advancing the gender issue and overcoming the sexual division of the job. We have, therefore, as object of analysis, two collective self-organized around the construction of two agroindustries in two different settlements: "Camponesas" of the Settlement of the Vale da Esperança, and "As Camponesas" of the Settlement Florestan Fernandes. In order to do so, we use as theoretical reference the Marxist Theory of Dependence, which allows us to understand how Latin America, and specifically Brazil, is inserted in the international division of labor and how the transfer of value from the peripheral economies to the central ones, with the overexploitation of the labor force as the only form of peripheral economies to develop. Thus, starting from this referential, we also try to understand how gender relations and the sexual division of labor, while functional to capital, are experienced by these women and the role of the MST women's self-organization in the attempt to change this reality. For this, we used as the focal group as data collection technique and content analysis as data analysis technique. The theoretical categories that guided our research and our analysis were Agrarian Issue and Dependency, Gender Relations and Sexual Division of Labor.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/10857
Aparece nas coleções:PPGPS - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
tese_12520_Maisa Prates do Amaral.pdf2.52 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.