Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/10877
Título: Negócios sociais como prática cultural cooperativa.
Autor(es): GONCALVES, C. P.
Orientador: BORLOTI, E. B.
Data do documento: 28-Jun-2018
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: GONCALVES, C. P., Negócios sociais como prática cultural cooperativa.
Resumo: O presente trabalho propôs que o campo dos negócios sociais configura uma prática cultural inexplorada, desenvolvida ao longo da história evolutiva da espécie humana, na qual o repertório cooperativo de alguns indivíduos se destaca para a emergência e a manutenção dessa prática, tese que foi averiguada com a realização de estudos interconectados, resultando em três artigos. O objetivo principal do primeiro artigo foi propor, a partir de uma perspectiva histórica, que a emersão dos negócios sociais corresponde a uma prática cultural desenvolvida ao longo da história evolutiva da cooperação na espécie humana. Pretendeu-se: (a) apresentar as mais influentes teorias e estudos sobre cooperação já desenvolvidos ou em discussão; (b) descrever a influência da cooperação no processo evolutivo das organizações econômicas sociais; e (c) descrever a linha histórica na qual os negócios sociais se desenvolveram. Embora exista um conjunto de fatores que desencadeou a ascensão dos negócios sociais, a sua emersão deve ser vista como um produto de 2,5 milhões de anos de evolução do comportamento cooperativo no gênero humano. Assim, a história por trás do surgimento dos negócios sociais é a própria história da cooperação humana. Como o ponto de partida para qualquer investigação científica acerca de um tema emergente é saber como está o desenvolvimento científico na área de conhecimento que o circunscreve, os objetivos do segundo estudo foram: (a) analisar a produção científica mundial em negócios sociais nos últimos 10 anos; e 4 (b) buscar a identificação de possíveis estudos que abordaram os negócios sociais como prática cultural. Dentre os resultados apurados, destaca-se a inexistência de iniciativas que explorem a perspectiva comportamental do avanço global dos negócios sociais como prática cultural promotora de um desenvolvimento socioeconômico mais equitativo. O terceiro estudo se propôs a abordar o papel da cooperação humana na iniciativa de fundar um negócio de impacto social. Para isso, buscou-se identificar as contingências controladoras do comportamento cooperativo do Prêmio Nobel da Paz de 2006, professor Muhammad Yunus, que culminou na criação e operação do Grammen Bank, um modelo de negócio social mundialmente conhecido. O objetivo desse artigo foi destacar contingências que poderiam ser importantes programar em práticas educacionais voltadas a negócios sociais. Observou-se que as contingências mais relevantes na aquisição e manutenção do comportamento cooperativo de Yunus envolvem autocontrole e contracontrole na convivência com grupos que se relacionam ao alcance do bem-comum. Os três estudos confirmaram os fundamentos da tese, ratificando que: (1) a emersão dos negócios sociais representa um fenômeno social desenvolvido ao longo da história evolutiva da espécie humana; (2) o estudo dos negócios sociais como prática cultural é um campo ainda inexplorado; e (3) que o repertório cooperativo de alguns indivíduos com história de autocontrole e contracontrole se destaca para a emergência e a manutenção dessa prática cultural.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/10877
Aparece nas coleções:PPGP - Teses de doutorado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_8207_Tese_Claudinei_3vias.pdf1.84 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.