Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/11007
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.advisorDADALTO, M. C.
dc.date.accessioned2019-04-06T02:13:10Z-
dc.date.available2019-04-05
dc.date.available2019-04-06T02:13:10Z-
dc.identifier.citationBATISTA, M. R., Ocupação do Distrito de Aracê, Domingo Martins (1888-1920).por
dc.identifier.urihttp://repositorio.ufes.br/handle/10/11007-
dc.publisherUniversidade Federal do Espírito Santopor
dc.titleOcupação do Distrito de Aracê, Domingo Martins (1888-1920).por
dc.typemasterThesisen
dcterms.abstractO distrito de Aracê, município de Domingos Martins, Espírito Santo, foi ocupado no final do século XIX e início do século XX, por imigrantes nacionais e estrangeiros que encontraram no local, à época de sua chegada, indígenas da tribo dos puris. Essa ocupação deu-se por grupos heterogêneos, mas um forte apelo à colonização europeia ressaltou a presença dos imigrantes alemães e principalmente italianos e menosprezou a presença dos nacionais. Os elementos formadores da população da região foram: indígenas; imigrantes nacionais, como fluminenses, cearenses e mineiros; imigrantes estrangeiros e descendentes, sobretudo alemães e italianos, e capixabas. Também se destacam os vários caminhos utilizados para a ocupação do distrito de Aracê. O recorte temporal desta dissertação inicia-se no ano de 1888, data a partir da qual chegaram os primeiros moradores à região, e se encerra em 1920, ano em que o Censo de Estabelecimentos Rurais já apontava a presença de todas as famílias consideradas pela comunidade como fundadoras do distrito. Recorreu-se à Micro-História (LEVI, 1998) para reconstruir a história da localidade e entender de forma mais aproximada suas peculiaridades. O elemento fundamental para a reconstrução do passado dessa localidade deu-se por entrevistas realizadas com os moradores, metodologia essa que forneceu informações que levaram às fontes documentais que, somadas, permitiram estabelecer a origem e o trajeto das primeiras famílias. O uso das lembranças é justificado (BOSI, 1999) porque a memória não é apenas pessoal, mas retrata também uma sociedade em determinado período. Aos documentos encontrados, aplicou-se uma análise meticulosa de detalhes (GINZBURG, 1989) para resgatar informações que permitissem montar a história do passado do distrito de Aracê. Durante o processo de construção dessa dissertação, as entrevistas com a comunidade forneceram indícios e pistas para o encontro de provas documentais. Porém, quando da análise do Censo de Estabelecimentos Rurais de 1920, o processo se inverteu: o documento pôde contar com a comunidade para cobrir suas lacunas. Esta dissertação é, então, o resultado do trabalho circular entre informações obtidas na comunidade que nos levaram a documentos e da análise de documentos que nos remeteram de volta à comunidade. O resultado do trabalho foi a reconstrução da ocupação do distrito de Aracê e o resgate dos caminhos para essa ocupação, buscando evidenciar que várias etnias participaram da formação da localidade e refutar, desse modo, a ideia que tenha sido predominantemente ocupada por imigrantes europeus.por
dcterms.creatorBATISTA, M. R.
dcterms.formatapplication/pdfpor
dcterms.issued2019-04-25
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Históriapor
dc.publisher.initialsUFESpor
dc.publisher.courseMestrado em Históriapor
dc.contributor.refereePERES, E. P.
dc.contributor.refereeCASTIGLIONI, A. H.
dc.contributor.refereeCAMPOS, A. P.
Aparece nas coleções:PPGHIS - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_10721_12 03 2019 - MARCIA REGINA BATISTA - DISSERTAÇÃO (4).pdf6.82 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.