Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/11128
Título: Efeito da ingestão de cafeína sobre o desempenho de socos e respostas perceptivas em atletas de combate
Autor(es): AZEVEDO, A. P.
Orientador: GUIMARAES-FERREIRA, L.
Data do documento: 29-Mai-2018
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: AZEVEDO, A. P., Efeito da ingestão de cafeína sobre o desempenho de socos e respostas perceptivas em atletas de combate
Resumo: São bem documentados na literatura científica os efeitos benéficos da ingestão de cafeína no desempenho atlético, especialmente em exercício prolongado, de caráter predominantemente aeróbio. Além disso, há evidências crescentes de sua aplicação em exercícios de curta duração e alta intensidade. Os combates de artes marciais envolvem em geral esforços intermitentes, onde golpes são desferidos com máxima potência. O efeito da ingestão de cafeína sobre o desempenho de lutadores foi, entretanto, pouco explorado até então. O objetivo do presente estudo foi avaliar o efeito da ingestão aguda de cafeína sobre o desempenho intermitente de socos e respostas perceptivas em lutadores. Para tanto, 11 atletas de esportes de combate, do sexo masculino, com idade entre 18-35 anos e com peso variando entre 70kg e 95kg, foram selecionados e submetidos à protocolo intermitente de socos que consiste em três períodos de 15 segundos, com intervalo de 45 segundos, onde foram orientados a desferir o maior número de socos com o membro dominante com a maior força possível. Foram coletados indicadores de desempenho (número de socos e força máxima e médias de socos), além de medidas subjetivas de prontidão física e mental e percepção de esforço. Após sessão de familiarização e em dias distintos, os participantes realizaram o mesmo protocolo em duas condições, de forma randomizada e com controle duplo-cego: 60 minutos após a ingestão de solução contendo cafeína (5 mg/kg) ou placebo (água aromatizada). Não houveram diferenças no número de socos desferidos em cada série (p=0,4562) ou no número total de socos (p=0,99), bem como sobre a força máxima (p=0,4534) e força média dos socos (p=0,7044). Além disso, não foram observadas diferenças na prontidão física (p=0,4235) ou mental (p=0,99) e na percepção subjetiva de esforço entre as condições placebo e cafeína (p=0,2826). Podemos concluir que a ingestão de 5mg/kg de peso de cafeína não foi capaz de alterar o desempenho de socos de lutadores, quando avaliado a frequência de golpes, força média e máxima, PSE e prontidão mental e física para investir no esforço.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/11128
Aparece nas coleções:PPGNS - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_12920_DISSERTACAO COMPLETA -Arthur Persio.pdf
  Restricted Access
333.38 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir    Solictar uma cópia


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.