Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/11129
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.advisorFUX, B.
dc.date.accessioned2019-05-14T02:01:46Z-
dc.date.available2019-05-13
dc.date.available2019-05-14T02:01:46Z-
dc.identifier.citationRAMOS, R. F., MODELAGEM de Nicho Ecológico de Biomphalaria Spp. Preston,1910 no Estado do Espírito Santo, Brasilpor
dc.identifier.urihttp://repositorio.ufes.br/handle/10/11129-
dc.publisherUniversidade Federal do Espírito Santopor
dc.titleMODELAGEM de Nicho Ecológico de Biomphalaria Spp. Preston,1910 no Estado do Espírito Santo, Brasilpor
dc.typemasterThesisen
dcterms.abstractA esquistossomose mansônica é uma doença parasitária causada pelo Schistosoma mansoni. A transmissão é dada por moluscos de hábitos aquáticos, do gênero Biomphalaria, tendo três espécies de importância epidemiológica (Biomphalaria glabrata, Biomphalaria straminea e Biomphalaria tenagophila). No Brasil a espécie Biomphalaria glabrata é considerada o hospedeiro intermediário mais importante, em decorrência de sua extensa distribuição geográfica, altos índices de infecção e eficiência na transmissão da infecção. A esquistossomose é considerada endêmica em 47 dos 78 municípios do Espirito Santo (ES), onde os focos mais importantes estão localizados nas regiões serranas do Centro e Sul do estado, Baixo Guandu e Vale do Rio Doce. Objetivo: Neste trabalho foi realizado a análise da distribuição preditiva das principais espécies de Biomphalaria e sua relação com a transmissão da esquistossomose mansônica no estado do ES, Brasil. Materiais e métodos: Foi utilizado uma série histórica de casos notificados na Secretaria de Estado da Saúde do ES coletados pelo Núcleo de Entomologia e Malacologia do Espírito Santo no período de 2000 a 2016. Para avaliação dos mapas geoclimáticos foram analisadas 19 variáveis climáticas, pelo programa WorldClim, essas foram segmentadas em variáveis de temperatura, pluviosidade, bem como altitude e declividade disponibilizadas pelo IBGE, além do solo disponibilizada pela EMBRAPA/IBGE. Foram utilizados os programas ArcGIS e Maxent, para análise dos dados e posterior elaboração dos mapas de predição. Resultados: Foram avaliadas 23.738 amostras de planorbídeos do gênero Biomphalaria e 39.808 casos positivos notificados de Esquistossomose mansônica no estado do ES. Estes resultados foram obtidos pelo processo de geoprocessamento e modelagem, que permitiu concluir que algumas variáveis como temperatura e precipitação, estão altamente relacionadas a presença destes planorbídeos no estado. Conclusões: Este estudo apresenta, pela primeira vez, o mapa de ocorrência de Esquistossomose mansônica no estado do ES, comprovando a associação da sua distribuição com variações de temperatura, precipitação e altitude, além de identificar as áreas de maior probabilidade de ocorrência das espécies do planorbídeo do gênero Biomphalaria.por
dcterms.creatorRAMOS, R. F.
dcterms.formatapplication/pdfpor
dcterms.issued2018-09-13
dcterms.subjectBiomphalariapor
dcterms.subjectBiomphalaria glabratapor
dcterms.subjectBiomphalaria stramineapor
dcterms.subjectpor
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Doenças Infecciosaspor
dc.publisher.initialsUFESpor
dc.publisher.courseMestrado em Doenças Infecciosaspor
dc.contributor.refereeLEITE, G. R.
dc.contributor.refereeCERUTTI JUNIOR, C.
Aparece nas coleções:PPGDI - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_12869_Dissertação final Rhayane.pdf3.61 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.