Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/11275
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.advisorANDRADE, P. G. R.
dc.date.accessioned2019-06-28T02:01:35Z-
dc.date.available2019-06-27
dc.date.available2019-06-28T02:01:35Z-
dc.identifier.citationSILVA, G. V., A cobertura do jornal A Gazeta sobre a titulação de comunidades remanescentes de quilombos (1988-2017)por
dc.identifier.urihttp://repositorio.ufes.br/handle/10/11275-
dc.publisherUniversidade Federal do Espírito Santopor
dc.titleA cobertura do jornal A Gazeta sobre a titulação de comunidades remanescentes de quilombos (1988-2017)por
dc.typemasterThesisen
dcterms.abstractEsta pesquisa, realizada no âmbito do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Territorialidades da Universidade Federal do Espírito Santo, está inserida na Linha de Pesquisa Comunicação e Poder. Trata-se de estudo na área de Comunicação e Política com o intuito de analisar a participação do jornal A Gazeta, empresa pertencente ao maior grupo de comunicação do Espírito Santo, na dinâmica do poder social em torno da disputa por áreas quilombolas no interior do estado. Embora a titulação de territórios quilombolas seja um direito garantido aos remanescentes de quilombos desde a promulgação da Constituição Federal, em 1988, nenhuma área foi destinada até a conclusão desta pesquisa. Entretanto, somente o início dos processos visando à efetivação desse direito foi suficiente para gerar reação de grupos ideologicamente contrários, que passaram a ocupar e mobilizar instrumentos importantes de exercício de poder social, como o Estado e a imprensa, para garantir a preservação de seus interesses. E foi a essa reação que este trabalho direcionou o seu olhar, especialmente às notícias e reportagens publicadas por A Gazeta no ano de 2007. Para a realização das análises desse corpus composto por 12 ocorrências apoiamo-nos, principalmente, no arcabouço teórico-metodológico do enquadramento noticioso (framing analysis). A partir da análise dos referidos textos jornalísticos foi possível perceber que o espaço de visibilidade midiática construído em torno dessa temática privilegiou ideias e sujeitos contrários à titulação de territórios quilombolas, sobretudo por meio da produção e veiculação de enquadramentos do tipo economicistas, que atribuem à execução dessa política direcionada a uma minoria étnico-racial possíveis prejuízos sociais e financeiros. Além disso, ao tempo que deu saliência aos enquadramentos favoráveis aos sujeitos integrantes do grupo hegemônico envolvido na disputa (latifundiários e multinacionais do agronegócio), o jornal também silenciou argumentos dos quilombolas os quais identificamos a partir da realização de entrevistas com lideranças desse grupo fundamentais para a justificativa da titulação relacionados à cultura e à ancestralidade, bem como a dinâmica de uso da terra como espaço de produção de identidades e subjetividades próprias das comunidades. Palavras-chave: Titulação de Territórios Quilombolas. Imprensa. A Gazeta (jornal). Enquadramentos noticiosos.por
dcterms.creatorSILVA, G. V.
dcterms.formatapplication/pdfpor
dcterms.issued2019-05-07
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Comunicação e Territorialidadespor
dc.publisher.initialsUFESpor
dc.publisher.courseMestrado em Comunicação e Territorialidadespor
dc.contributor.refereeSILVA, S. J.
dc.contributor.refereeREIS, Ruth
dc.contributor.refereeOLIVEIRA, O. M.
dc.contributor.refereeSOUZA, R. B. R.
dc.contributor.advisor-coZANETTI, D.
Aparece nas coleções:POSCOM - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_13175_DISSERTACAO_GIRLEY_SILVA.pdf7.1 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.