Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/11401
Título: A ANTROPOFAGIA DE GRANDE SERTÃO: VEREDAS
Autor(es): OLIVEIRA, R. R.
Orientador: SOARES, L. E.
Data do documento: 29-Jul-2019
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: OLIVEIRA, R. R., A ANTROPOFAGIA DE GRANDE SERTÃO: VEREDAS
Resumo: Este trabalho apresenta uma análise de Grande sertão: veredas, publicado em 1956, de João Guimarães Rosa, e invoca, como principal fundamento, a antropofagia de Oswald de Andrade. O romance, suas personagens e o que juntos realizam, imbricados na narrativa, são entendidos como titulares da natureza de um Outro. Alteridades que, do lugar de margem em que estão, perturbam ideias estabelecidas e igualmente o fazem com a materialização destas em um rosto/agente soberano. Importunam, mas também avançam: deglutem, ruminam e expelem, transformando o padrão em uma síntese específica, original, insólita. Nesta ordem, este estudo argumenta que são antropofágicas: a trama central, as personagens principais e a faceta política destas duas. Do ritual canibal dos nativos de Pindorama, depois como metáfora do pensamento filosófico oswaldiano, até alcançar os cafundós onde vivem Riobaldo, Diadorim, Hermógenes, Deus e o diabo, a selvageria revolucionária da antropofagia está, também, conforme argumenta esta dissertação, no fundo do sertão de Rosa. De lá, devora tudo, contando com as contribuições de Bolívar Echeverría, György Lukács, Jacques Rancière e Sigmund Freud. Palavras-chave: alteridade, antropofagia, realismo.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/11401
Aparece nas coleções:PPGL - Teses de doutorado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_13503_Rogério R.pdf393.69 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.