Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/1244
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.advisorCiccarone, Celeste-
dc.date.accessioned2014-12-29T17:32:58Z-
dc.date.available2014-12-29T17:32:58Z-
dc.identifier.urihttp://repositorio.ufes.br/handle/10/1244-
dc.rightsopen accessen
dc.titleO ciclo de festas para São Benedito das Piabaspor
dc.typemasterThesisen
dc.subject.udc316por
dc.subject.udc316-
dc.subject.br-rjbnAntropologiapor
dc.subject.br-rjbnFestaspor
dc.subject.br-rjbnCultura popularpor
dc.subject.br-rjbnFestas religiosas - Conceição da Barra (ES)por
dc.subject.br-rjbnDanças folclóricas brasileiraspor
dc.subject.br-rjbnJongo (Dança)por
dc.subject.br-rjbnIdentidade socialpor
dc.subject.br-rjbnTerritorialidade humanapor
dc.subject.br-rjbnQuilombolas - Conceição da Barra (ES)por
dcterms.abstractA dissertação intitulada “O ciclo de Festas para São Benedito das Piabas” visa compreender a relação entre as práticas religiosas festivas e a afirmação/reafirmação de identidades e territorialidades de dois grupos tradicionais no litoral norte do estado do Espírito Santo: os quilombolas integrantes do Baile dos Congos de São Benedito do Território do Sapê do Norte e os pescadores da comunidade de Barreiras na ilha de Guriri (ambos localizados no município de Conceição da Barra), tendo como foco de estudo o ciclo festivo para São Benedito das Piabas através dos grupos de Baile de Congos de São Benedito e de Jongo das Barreiras. Falar em festas no Brasil é falar de mediações estabelecidas entre diferentes culturas, de celebrações coletivas envolventes, com performances próprias a cada ator, em cada “comunidade” festiva, de modos de apropriação e ressignificação de elementos oficiais, tais como datas históricas estabelecidas pelo Estado ou pela igreja, e também de criações próprias às “comunidades” festivas (AMARAL, 1998). A partir do conceito de “construção cultural”, entendido como um processo de demarcação de fronteiras étnicas que fortalecem, ou mesmo criam, sentimentos de unidade em um dado grupo de famílias que, assim, realizam em conjunto a elaboração simbólica de valores e visões de mundo, se construindo culturalmente como grupos distintos em suas redes de relações sociais (TASSINARI, 2003), penso as relações sociais estabelecidas para e na realização das festas para São Benedito das Piabas. Um processo de constante construção cultural e afirmação comunitária. Apoiado na reflexão das categorias locais “nossa tradição”, “nosso ritmo” e do modo de tradução criativa do conceito de “tradição” busco compreender as teias de significados elaborados na construção cultural de ambos os grupos abordados no presente estudo.por
dcterms.creatorMachado, Vitor Hugo Simon-
dcterms.dateSubmitted2011-09-30-
dcterms.formattext-
dcterms.issued2011-09-30-
dcterms.languageportuguêsen
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Ciências Sociaispor
dc.subject.cnpqCiências Sociais-
dc.publisher.courseMestrado em Ciências Sociais-
dc.contributor.refereeOliveira, Osvaldo Martins-
dc.contributor.refereeArruti, José Maurício-
dc.contributor.refereeRibeiro, Luiz Claudio-
Aparece nas coleções:PPGCSO - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Dissertacao.Vitor Hugo Simon.pdf672.14 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons