Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/1259
Título: Honorários, serviços fora da área de auditoria e independência do auditor : evidências nas companhias abertas listadas na BM&FBovespa
Autor(es): Rodrigues Sobrinho, William Brasil
Orientador: Bortolon, Patricia Maria
Palavras-chave: Honorários de auditoria
Serviços extra-auditoria
Independência do auditor
Data do documento: 14-Out-2014
Resumo: O presente trabalho possui o objetivo de identificar os determinantes dos honorários e serviços fora da área de auditoria, bem como avaliar se a prestação destes serviços conjuntamente com a auditoria das demonstrações financeiras afeta a independência dos auditores externos das companhias abertas brasileiras negociadas na BM&FBovespa. A amostra contempla um total de 180 empresas não financeiras observadas no período de 2010 a 2012. Os resultados indicam que as proxies para esforço e risco elevam os honorários de auditoria, enquanto a governança corporativa apresentou tanto o efeito demanda (elevam os honorários) quanto o efeito risco (reduzem os honorários) dependendo da proxy observada. No que tange a contratação de serviços fora da área de auditoria foi constatado que empresas com maior necessidade de monitoramento e com comitês de auditoria demandam esses serviços, embora o conselho fiscal iniba a contratação dos mesmos. Por fim, as evidências indicam que a prestação de serviços fora da área de auditoria não afeta a independência do auditor. Estes resultados são mantidos mesmo quando observada a probabilidade de ocorrência da modificação no parecer da auditoria relacionada à violação da premissa de continuidade da firma (Going Concern Opinion). Os testes adicionais realizados confirmam a manutenção da independência do auditor, inclusive quando observado o tipo de auditor (não Big4), expectativa de ganhos futuros relacionados a serviços fora da área de auditoria adicionais, empresas consideradas ressalváveis, bem como o efeito de melhores práticas de governança corporativa.
This paper aims to identify the determinants of audit and non-audit fees. Additionally aims to assess if the provision of these non-audit services in conjunction with audit of the financial statements affect the independence of the external auditors of Brazilian companies traded on the BM&FBovespa. The sample contains 180 non-financial corporations observed in the period 2010 to 2012.Results indicate that, overall, the effort and risk proxies raise audit fees, while corporate governance variables show the demand effect (raising fees) and risk effect (lowering fees) depending on the proxy observed. Regarding the hiring of non-audit services, firms that need more monitoring and have audit committees require additional services, although the fiscal board inhibits hiring these services. Finally, evidence indicates that the provision of non-audit services does not affect auditor's independence. These results are the same even when considering the existence of a going concern opinion as a proxy for independence. Additional tests confirm the maintenance of the independence of the auditor, even when, type of auditor (non-Big4), unexpected non-audit services, possibility of modified opinion and the effect of best practices in corporate governance.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/1259
Aparece nas coleções:PPGCON - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
willian.pdf1.28 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons