Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/2132
Título: Pela tela, pela janela : as funcionalidades da tela interativa em aplicativos de arte para dispositivos móveis (ipads).
Autor(es): Ribeiro, Gabriela Silva
Orientador: Lima, Fábio Luiz Malini de
Data do documento: 30-Jun-2015
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Resumo: Esta dissertação de mestrado apresenta uma investigação sobre o papel exercido pela tela de dispositivos móveis enquanto mediadora de uma nova realidade social em que comportamentos, relações e acontecimentos são regidos por uma lógica híbrida entre o virtual e o atual (não virtual). Inicialmente, apresenta-se uma análise das novas subjetividades que se desenvolveram a partir das modificações do contemporâneo mediado pelo advento dos dispositivos móveis. Em seguida, aprofunda-se na discussão sobre o desenvolvimento tecnológico e suas relações com os usuários. Por um viés histórico, analisa-se o desenvolvimento das tecnologias digitais e suas influências na vida do ser humano, desde o advento do virtual até a Realidade Misturada. Foca-se também, na relação entre tais desenvolvimentos e as subjetividades, envolvendo os agentes, os avatares e a Ciborguização. Posteriormente, analisa-se o papel da tela, enquanto janela que concede acesso a um universo híbrido regido por novas regras e habitado por uma subjetividade completamente diferente o interator. O foco é a mediação exercida por essa tela nas distintas áreas da vida humana, desde a potencialização de habilidades físicas até em processos de criação em arte. Então, levanta-se o olhar especificamente sobre tela, elemento da interface computacional que possibilita o estabelecimento da interação entre usuário e dispositivo. Inicialmente, analisa-se a interface, cujo desenvolvimento é considerado o possibilitador da revolução tecnologia informacional, justamente por possibilitar que interator e dispositivo se relacionassem direta, física e mentalmente. A seguir, foca-se na história da tela, até chegar às telas de dispositivos móveis. O cerne da pesquisa são as funcionalidades, entretanto, apresenta-se um panorama de evolução histórica e, inclusive, concentra-se atenção especial na tactilidade, relacionando-a à touchscreen , pela ampla gama de potencialidades que abriu no campo no desenvolvimento de dispositivos móveis e pela estreita relação com a história da Arte. Finaliza-se com uma abordagem do ProCreate e do ArtRAge, dois aplicativos de criação em arte que funcionam por meio de tala tátil direta e indiretamente. Apesar de apresentarem funcionalidades e propósitos semelhantes e de lidarem com elementos da última geração de criação em Arte Tecnologia, os aplicativos resultam em experiências estético-sensórias bastante distintas, no campo da criação em Arte. A análise dos aplicativos foi escolhida para efeito de debater a criação artística por meio de tela de dispositivos móveis. Em linhas gerais, este trabalho se propõe a analisar a mediação da tela de dispositivos móveis como metáfora dessa nova forma de criação em Arte, que não cabe em categorizações pré-definidas e lida com inúmeras questões ainda sem resposta, refletindo os novos ( e indefinidos) caminhos da contemporaneidade.
This paper presents an investigation about the role played by mobile devices as mediators of a new social reality in which behaviors, relations and events are guided by a hybrid logic that works between the virtual and physical (non-virtual). We start by presenting an analysis of the new subjectivities that were developed from contemporary changes, also due to the mobile devices. For a historical view the development of digital technologies is analyzed and their influence on human life, since the advent of the virtuality to the “Mixed Reality.” It focuses also on the relationship between these developments and subjectivities, involving agents, avatars and ciborguization . Then, focus specifically on the screen, the computer interface element which allows the establishment of interaction between user and device. First, it analyzes the interface, the development of the information technology revolution catalyzed , just by enabling , interactor and device relacionassem direct , physically and mentally . The following focuses on the screen of history, to reach the mobile screens . The core of the research are the features, however, presents a panorama of history evolution and even focuses special attention on the tactility , relating it to the touchscreen - for the wide range of capabilities that opened the field in the development of devices furniture and the close relationship with the History of Art . Ends up with an approach to procreate and ArtRage two authoring applications in art running through tactile splint - directly and indirectly. Despite showing similar features and purposes and deal with elements of the latest generation of creation Art Technology , applications result in aesthetic and sensory experiences quite different in the field of creation Art. The analysis of applications has been chosen for the purpose of discussing artistic creation through mobile device screen. Despite showing similar features and purposes and deal with elements of the latest generation of creation Art Technology , applications result in aesthetic and sensory experiences quite different in the field of creation Art . The analysis of applications has been chosen for the purpose of discussing artistic creation through mobile device screen. In general , this study aims to analyze the mediation of the mobile screen as a metaphor of this new form of creation in Art, that does not fit into predefined categorizations and deals with many questions still unanswered , reflecting the new ( and undefined ) of contemporary ways
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/2132
Aparece nas coleções:PPGA - Dissertações de Mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
tese_8977_Gabriela Silva Ribeiro.pdf3.1 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.