Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/2139
Título: Drummond, a crítica e a escola : a invenção de um poeta nacional pelo livro didático de ensino médio
Autor(es): Dalvi, Maria Amélia
Orientador: Schwartz, Cleonara Maria
Data do documento: 3-Set-2010
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Resumo: Este trabalho se ocupa da “invenção” de Carlos Drummond de Andrade como “o primeiro grande poeta público do Brasil”, a partir da veiculação reiterada de estereótipos poéticos e literários, quer pela crítica especializada e pela historiografia que engendra, quer, principalmente, pelo livro didático de ensino médio. Caracteriza-se como uma pesquisa de cunho bibliográfico-documental, cuja principal fonte é escrita e impressa. Sua orientação teórica concerne à História Cultural de matriz francesa, dialogando especialmente com noções do pensamento de Roger Chartier (objeto cultural, representações culturais, práticas culturais, comunidades de interpretação e apropriação). Toma como corpus de trabalho um dos livros didáticos selecionados e bem avaliados pelo Programa Nacional do Livro para o Ensino Médio (PNLEM), na edição de 2008, para o ano letivo de 2009, a saber, Português: Linguagens, de William Roberto Cereja e Thereza Cochar Magalhães. Conclui que é no mínimo curioso que se aceite como um dos melhores livros didáticos brasileiros (ou seja, um dos mais bem avaliados pelo PNLEM) para a formação do leitor literário de nível médio obra na qual um autor paradigmático de nossa experiência coletiva, no caso, Carlos Drummond de Andrade, seja apresentado de modo fragmentado e sensivelmente interessado, desarticulado de toda a sua importância como um pensador politizado de cultura, pois a imagem que lhe foi decalcada não corresponde às intenções de uma poesia corrosiva, incessantemente metalinguística, autofágica e autocrítica, que problematizou de modo evidentemente provocativo alguns dos pilares da vida brasileira: a religiosidade (em opção explicitamente ateia), a família, a infância, a ideia de nacionalidade, o corpo e o gozo, o bom-gosto burguês médio, o beletrismo e o bacharelismo. Além disso, entende que a representação da sociedade (e, consequentemente, da literatura e dos autores e obras nacionais) construída pelos livros e manuais didáticos corresponde a uma reconstrução, que tende mais a apresentar a sociedade (e a literatura, seus autores e obras, seus leitores) do modo como que se gostaria que ela fosse do que do modo como ela é; defende, pois, que investigar o Drummond reconstruído (ou seja, construído a partir da construção de sua figura autoral) pelos livros didáticos permite supor que literatura, que autores, que obras e que leitores a sociedade e, assim, a escola gostariam de ter, a despeito daqueles que efetivamente têm. No entanto, esta pesquisa não quer pressupor a “demonização” do livro didático, pois entende que o manual escolar pode ser um espaço de rasura: não se pode prever ou controlar a apropriação que dele se faz
The present study examines the “invention” of Carlos Drummond de Andrade as “the first great public Brazilian poet”, thanks to the reiteration of stereotypes put into circulation either through specialized criticism and the historiography it engenders or, and most especially, through the school books used in secondary education. The present research is characteristic of the bibliographic documented type, whose main source is that of written and published works. Its theoretical guideline concerns Cultural History of French origin, especially in dialogue with some concepts elaborated by Roger Chartier (cultural object, cultural representations, cultural practices, communities of interpretation and appropriation). As corpus of investigation, the book selected is one of the books evaluated and elected by the National Program for Didactic Books for Secondary Education (Programa Nacional do Livro Didático para o Ensino Médio – PNLEM), sponsored by the Brazilian Education Department, in its 2008 edition, for use in the academic year of 2009. The conclusion of this study highlights the curious fact that one of the best didactic books for the formation of literary readers of secondary education, according to the PNLEM verdict, presents the work of a paradigmatic author of our collective experience, namely, Carlos Drummond de Andrade in a fragmented and partial way, disarticulated from the important role he holds as a thinker of cultural politics. This is so because the image represented does not correspond to his corrosive, metalinguistic, autophagic and autocritical poetry, one that problematizes, in an evidently provocative way, some of the pillars of Brazilian lifestyle: religiosity (in his explicitly atheist option), family, childhood, the idea of nationality, body and pleasure, the sense of taste of the average bourgeoisie, the belle-lettres and academia. It is also made clear that the representation of society (and, consequently, of literature its authors and works) built by didactic books and manuals correspond, in truth, to a reconstruction which leans more towards the presentation of society (and literature, its authors and works, its readers) the way one wished they were, instead of the way they actually are. Thus, this research verifies that by investigating a reconstructed Drummond (that is, one put together by considering the authorial figure), by examining didactic books, it becomes possible to imagine the kind of literature, authors, and readers society, and, in that vein, schools would like to have, regardless of what they do in fact have. Nevertheless, this research does not intend to “demonize” the didactic book, for it is clear that the school manual is also a space for erasures: one cannot foresee or control the appropriation which may take place
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/2139
Aparece nas coleções:PPGE - Teses de doutorado

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
tese_4536_Maria_Amélia_Dalvi.pdf2.53 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.