Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/2191
Título: Políticas da memória e usos públicos da história : o lugar da educação museal na formação de professores para os anos iniciais do ensino fundamental.
Autor(es): Bitte, Regina Celi Frechiani
Orientador: Leite, Juçara Luzia
Palavras-chave: Formação de professor
Data do documento: 11-Abr-2014
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Resumo: Trata-se de uma pesquisa cujo objetivo principal é investigar como o professor formado no curso de Pedagogia mobiliza, em sua prática, saberes referentes à disciplina História, no que diz respeito à educação museal. Para a concretização do que se propõe conhecer, considera três dimensões: a formativa, a política da memória e a prática. Para tanto, desenvolve um diálogo com um olhar fundamentado conceitualmente em Pollack (1992), Carretero (2007) e Mattozzi (2008 b), que subsidiaram os diálogos entre memória e história; Chartier (2009), cujo esquema conceitual orientou a reflexão sobre as relações de poder; Gauthier (1998), Tardif (2000) e Monteiro (2001), que destacaram os diversos saberes mobilizados pelos professores em sua prática perante os desafios encontrados; Siman (2003b), Ramos (2004), Chagas (2006), Pereira (2011), que apontaram a educação museal assim como os espaços museais como lugares de memória, poder, exercício de pensamentos, troca de afetos, estímulo a ações e inspirações, e enriqueceram esta investigação com os dados levantados nas observações realizadas na escola e na Escola de Ciência Biologia e História (ECBH). Os dados analisados atribuem grande relevância e pertinência de se incluir mais profundamente as temáticas da história, da memória e da educação museal na formação dos professores para os anos iniciais e confirmam a importância do lugar da disciplina História na grade curricular dos Cursos de Pedagogia, numa organização curricular que possa romper com a formação do professor para além da hierarquia de áreas de conhecimento em detrimento de outras, determinando políticas de memória com vistas à educação museal.
This study aims at investigating how teachers graduated in pedagogy routinely employ knowledge of the subject history regarding museum education. In order to achieve these goals, this study takes three spheres into account:educational or training, politics of memory, and practice. For this purpose, it develops a dialogue based on concepts by Pollack (1992), Carretero (2007) and Mattozzi (2008 – b), who supported dialogues between memory and history; Chartier (2009), whose conceptual framework guided reflections on power relations; Gauthier (1998), Tardif (2000) and Monteiro (2001), who highlighted several types of knowledge employed by teachers during their practice in face of challenges found; Siman (2003b), Ramos (2004), Chagas (2006) and Pereira (2011), who pointed at museum education and museum spaces as places of memory, power, thinking exercise, exchange of affection, stimulus to action and inspiration. These authors enriched this investigation along with data gathered during observations carried out at the School of Science — Biology and History (Portuguese acronym ECBH).The data analyzed show high relevance and pertinence for including more deeply the themes history, memory, and museum education in teacher early licensure years. They also confirm the importance of history as a curricular grade in pedagogy programs, in a curricular organization that can break up with teacher training and go beyond the hierarchical areas of knowledge to the detriment of others, and determine politics of memory that aims at museum education.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/2191
Aparece nas coleções:PPGE - Teses de doutorado

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
tese_7576_REGINA.pdf1.62 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.