Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/2225
Título: CONVERSAR e Tensionar na Formação (des)continuada, Inventiva/inclusiva: Cartografia de uma Escola Território
Autor(es): Cuevas, Marcia Roxana Cruces
Orientador: Pinel, Hiran
Palavras-chave: Formação de educadores
Educação de Jovens e Adultos
Data do documento: 27-Fev-2015
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: CUEVAS, M. R. C., CONVERSAR e Tensionar na Formação (des)continuada, Inventiva/inclusiva: Cartografia de uma Escola Território
Resumo: A tese inicia com indagações sobre a formação de educadores inclusivos a partir do paradigma de rede. A concepção de homem e de mundo que orienta esta investigação aponta para a complexidade da vida, entendendo o homem e a sociedade como emaranhados em uma rede de produções, intensidades de sentidos e afetações que configuram a existência. Compreendem-se os fenômenos como produção coletiva, produção de subjetividade, onde os padrões assumidos como normais são fruto de um complexo processo de reprodução de sujeitos e reinvenção da vida através da potência de criação. O trabalho configura-se como uma investigação qualitativa móvel, onde nos perguntávamos e perguntamos acerca de como a conversação, na formação de professores se efetiva como uma forma de resistência, de criação à subjetividade capitalística? Como as conversações da formação de professores se efetivavam e inventavam modos de existência inclusivos? Realizamos uma pesquisa-intervenção porque assume o plano da experiência enquanto intervenção. Tateamos, fabricamos dispositivos produtivos para fazer emergir desde o fazer, o saber. Realizamos uma cartografia das ações e criações de profissionais de uma escola pública de Ensino Fundamental de Educação de Jovens e Adultos que trabalha nos três turnos com pessoas oriundas das camadas populares e que tiveram negado o direito de estudar. Realizamos o acompanhamento do percurso formativo de um grupo de professores da escola-território no decorrer do ano de 2014. Todos os relatos e narrativas foram registrados no diário de campo e gravados digitalmente. O material produzido foi analisado a partir das orientações da análise do discurso proposto por Foucault, buscando escapar da frágil interpretação daquilo que estaria por trás dos documentos, pois entendemos que as produções são uma realização histórica, política. As análises dos discursos nos levaram a dois platôs, duas regiões, territórios intensivos: a) A formação descontinuada que dinamiza o processo de organização do trabalho docente e b) A prática inclusiva via produção de redes colaborativas que dinamizam a escolaterritório. Uma formação em tempos de desafios inclusivos demanda ser inventiva. Na experiência junto à escola-território vimos que quando uma formação se rege por análises da implicação, onde não há linearidade dos estudos e reflexões, já que a cada encontro se conversa sobre novas experiências vividas e problemas enfrentados, proliferam redes colaborativas, fundamentais para a superação do individualismo. Uma formação que opera pela resistência produzirá agenciamentos e conexões éticas/estéticas/políticas, possibilitando a produção de outros valores, diferentes dos da sociedade neoliberal, porque fortalece a coletivização da vida, criando redes sociais territoriais. O encontro das modalidades da Educação de Jovens e Adultos e da Educação Especial pela via da formação inventiva/descontinuada/ ética/estética/política se apresenta como um forte caminho e modo de produção de uma educação equitativa, por ser pública e popular.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/2225
Aparece nas coleções:PPGE - Teses de doutorado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_8556_Corpo da tese final.pdf15.47 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.