Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/2929
Título:  SOMOS QUASE FELIZES: MOVIMENTOS DO DESEJO EM TEMPOS DE ANSIOLÍTICOS
Autor(es): MARTINS, R. A. S.
Orientador: MACHADO, L. A. D.
Data do documento: 12-Abr-2013
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: MARTINS, R. A. S., SOMOS QUASE FELIZES: MOVIMENTOS DO DESEJO EM TEMPOS DE ANSIOLÍTICOS
Resumo: O presente trabalho versa sobre os modos de vida no contemporâneo referente às práticas em torno de medicamentos ansiolíticos. Propomos um modo de pesquisa que não visa a descoberta de verdades, mas a escuta e a escrita das sensibilidades em processo na atualidade. Apropriamo-nos do cinema e da entrevista, intercessores deste trabalho, para dar vazão às vozes que se proferem em torno dessa temática. Os filmes: A pele que habito, Medianeras e O palhaço, somado a duas entrevistas com usuários de ansiolíticos, compõe o corpo desta pesquisa. As análises e a escuta deste campo nos levaram a uma discussão paradoxal entre modos de vida os quais, ao mesmo tempo em que nos lança em ritmos cada vez mais velozes e adoecedores - resultado das forças capitalísticas, tecnológica e midiática também produzem desejo de anestesiamento do corpo, para suportar a saturação a qual nos encontramos. Corpos que não têm agüentado mais os novos estilos urbanizados de viver e, por isso, pedem uma nova ética para com a vida, uma política de recusa aos ritmos estafantes. Uma discussão com base nos autores Deleuze, Guattari, Nietzsche, Spinoza e Foucault. Palavras-Chave: Subjetividade; clínica; ética; cinema.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/2929
Aparece nas coleções:PPGPSI - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_6566_Ruy Anderson.pdf1.23 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.