Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/3022
Título: Relações entre Estratégias de Enfrentamento e Aleitamento Materno de Prematuros
Autor(es): GUIMARAES, F. H. C.
Palavras-chave: Amamentação
Recém-nascidos prematuros
Coping
Mães
Data do documento: 7-Dez-2010
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: GUIMARAES, F. H. C., Relações entre Estratégias de Enfrentamento e Aleitamento Materno de Prematuros
Resumo: O aleitamento materno é primordial para a sobrevivência infantil, principalmente na prematuridade, quando as mães experimentam mais dificuldades no período inicial. Foram realizados 3 estudos para análise das relações entre as estratégias de enfrentamento (EE) ou coping da condição de ter um filho prematuro internado em Unidade Neonatal (UN) e o processo de amamentação em hospital público de Petrolina, PE. Participaram 20 mães, ao ingressarem no Alojamento Canguru, que responderam à Escala Modos de Enfretamento de Problemas (EMEP) e a uma entrevista. Dados de prontuários do bebê e do Banco de Leite Humano foram coletados. As entrevistas foram submetidas à análise de conteúdo e os demais dados a tratamento estatístico, para testar associações entre as variáveis relacionadas ao aleitamento. O Estudo 1 indicou que predominaram as EE focalizadas na busca de práticas religiosas e focalização no problema. O Estudo 2 revelou que o suporte institucional (Método Mãe Canguru) e o apoio familiar favoreceram a amamentação. No Estudo 3, EE focalizadas em práticas religiosas, para mães com problemas de amamentação e bebê com menor idade gestacional e peso ao nascimento na alta da UN, se relacionaram a maior tempo para translactação e início da amamentação. Considera-se que as principais estratégias maternas (práticas religiosas e focalização no problema) adotadas foram mais adaptativas para o enfrentamento da condição de prematuridade, tendo a variável suporte social (família e profissionais) uma importante função mediadora. Os resultados são discutidos em função do planejamento de intervenções na área da saúde materno-infantil, que objetivam o fortalecimento do vínculo mãe-bebê prematuro, e o estabelecimento da amamentação bem-sucedida. Palavras-chaves: Amamentação; Recém-nascidos prematuros; Estratégias de enfrentamento; Coping; Mães; Hospitalização; Neonatologia.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/3022
Aparece nas coleções:PPGP - Dissertações de mestrado



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.