Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/3025
Título: Percepção de maus-tratos no domicílio pelo idoso morador no município de Juazeiro-BA
Autor(es): Bezerra, Maria Luiza Barros Fernandes
Orientador: Rosa, Edinete Maria
Palavras-chave: violência intrafamiliar
idoso e enfrentamento
Data do documento: 2010
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Resumo: A população brasileira apresenta um processo de envelhecimento acelerado e se espera que em 2025 o Brasil seja o sexto país com mais idosos no mundo (IBGE, 2004). Os profissionais da saúde, principalmente aqueles que fazem parte da Estratégia de Saúde da Família e Comunidade, deparam-se constantemente - com queixas relacionadas à violência doméstica e social contra os idosos. Assim, necessitam compreender este fenômeno para atuar em defesa e garantir a qualidade de vida destes indivíduos. A Teoria Bioecológica do Desenvolvimento Humano de Bronfenbrenner (1996) foi a fundamentação teórica utilizada nesta pesquisa e permitiu o estudo do idoso dentro do microssistema familiar, a sua integração dentro deste ambiente ecológico e assim tornou possível a investigação sobre a violência que ocorre no domicílio. O objetivo geral deste trabalho foi analisar a percepção de violência pelo idoso e como ele reage diante de uma situação de violência. A investigação, realizada em Juazeiro-BA, contou com a participação de 10 idosos, na faixa etária entre 64 e 84 anos, que frequentavam a Unidade de Saúde da Família e que possuiam indícios de violência. As informações sóciodemográficas dos participantes foram coletadas a partir do prontuário da família dos idosos e complementadas no momento da entrevista. Dos 10 idosos pesquisados, 9 eram do sexo feminino, 6 tinham mais de seis filhos, 5 moravam com mais de quatro pessoas no domicílio, 8 eram analfabetos e tinham alguma religião, 6 eram do lar, 10 possuiam alguma doença crônica e 10 recebiam até um salário mínimo: sendo, para a maioria, a única fonte de renda da família. O roteiro da entrevista continha questões que buscavam identificar os seguintes aspectos: relações familiares e pessoais dos idosos; tipos de violência e a percepção deles da violência; autores da violência; reações e a estratégia de enfrentamento utilizadas por eles diante da situação. Depois da transcrição das entrevistas, foi efetuada a análise do conteúdo conforme orienta Bardin (2006). As principais formas de violência presentes no ambiente doméstico dos idosos foram a psicológica (90%) e a negligência (100%), seguindo com a financeira (50%) e em menor proporção a física (30%) e o abandono (30%). A violência foi percebida nas ações e circunstâncias vivenciadas por eles no cotidiano como confusão, bebida, brigas, desentendimento, brutalidade, desobediência, tristeza e agressão física. Em relação aos autores da violência, observou-se que eram, na maioria das vezes, filhos da vitima, do sexo masculino, dependentes financeiramente e usuários de drogas e de álcool. A reação dos idosos diante das situações de violência apresentou-se em alguns casos como inexistente, ou em outras situações de forma tímida, temerosa e fragilizada. Alguns idosos apresentaram reações através da manifestação patológicas diante das situações. O apoio de familiares e amigos, como também a religião, foram as estratégias de enfrentamento utilizadas. Também se observou que oito participantes não conheciam o Estatuto do Idoso (2003). Este trabalho aponta a necessidade de capacitação dos profissionais que fazem parte da estratégia saúde da família, no que se refere à violência contra o idoso e articulação de uma rede de apoio a fim de formar parcerias para o combate à violência. Sugere-se também a inserção do psicólogo como integrante da equipe a fim de apoiar os profissionais e oferecer melhor assistência. Os dados sobre as características peculiares deste grupo populacional poderão ser levados em consideração no momento da formulação e implementação das políticas públicas e dos planos de enfrentamento da violência.
The Brazilian population presents an accelerated aging process. It is expected that in 2025 Brazil will be the sixth country in the world in terms of older population (IBGE, 2004). The health professional, especially those who are part of the Strategy of Family and Community Health, faces, constantly, complaints related to domestic and social violence against the elderly, and so needs to understand this phenomenon to act in their favor and ensure the quality of life of those people. The Biological Human Development Theory of Bronfenbrenner (1996) was the theoretical foundation used in this research and allowed the study of the elderly within the family micro-system, their integration within this ecological environment and so let possible the research on violence occurring at home. The aim of this study was to examine the perception of violence by the elderly and how he reacts to a situation of violence. The research, performed in Juazeiro-BA, included the participation of 10 elderly, aged between 64 and 84 years who attended the Family Health Unit and that had evidence of violence. The participants' socio-demographic information was collected from the records of the family of the elderly and complemented during the interview. From the elderly group who formed the sample, 9 were female, 6 had more than six children, 5 lived with more than four people at home, 9 were illiterate and had a religion, 6 were housewives, 10 possessed a chronic disease and 10 received up to the minimum wage: being mostly the only source of the family income. The interview had questions looking for identifying the following aspects: personal and family relationships of older people, types of violence and their perception of violence, actors of violence, reactions and strategies used by them before the situation of violence. After transcribing the interviews, was analyzed the content as proposed in Bardin (2006). The most usual forms of violence presented in the household of the elderly were psychological (90%) and neglect (100%), followed with the financial (50%) and to a lesser extent the physical (30%) and abandonment (30%). The violence was seen in the actions and circumstances experienced by them in their daily life such as drinking, mess, fighting, disagreement, brutality, disobedience, sadness and physical aggression. In relation to the violence authors, it was observed that they were, in most of the cases, the victim's children, male, and financially dependent and users of drugs and alcohol. The reaction of the elderly in situations of violence was in some cases as non-existent or in other situations so timid, fearful and weak. Some older people had reactions through pathological demonstration in front of those situations. The support of family and friends, as well as religion, was the confronting strategy used. We also observed that 8 participants did not know the Elderly Statute (2003). This study highlights the need for training of professionals who are part of the family health strategy, with regard to violence against the elderly and the articulation of a support network in order to form partnerships to combat violence. It is also suggested the inclusion of the psychologist as a team member to support professionals and deliver better care. Data on the peculiar characteristics of this group may be taken into account when formulating and implementing public policies and plans for coping with violence.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/3025
Aparece nas coleções:PPGP - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
tese_3632_FINAL IMPRESSAO maria Luiza.pdf600.14 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.