Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/3027
Título: Trabalho, Vida e Morte no Setor de Rochas Ornamentais: Análise Psicossocial do Acidente de Trabalho Fatal para a Família
Autor(es): MORAES, A. B. T.
Orientador: MOULIN, M. G. B.
Data do documento: 12-Jul-2011
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: MORAES, A. B. T., Trabalho, Vida e Morte no Setor de Rochas Ornamentais: Análise Psicossocial do Acidente de Trabalho Fatal para a Família
Resumo: O trabalho é considerado uma prática transformadora da realidade que possibilita a sobrevivência material e simbólica, que interfere na subjetividade, no processo saúde-doença e na vida familiar dos trabalhadores. As pesquisas sobre condições psicossociais relacionadas com o acidente de trabalho fatal ainda são incipientes, e os efeitos desses acidentes para as famílias das vítimas têm ainda menor visibilidade, de forma que o objetivo do presente estudo foi analisar os efeitos psicossociais dos acidentes de trabalho fatais para as famílias, ocorridos em 2008, no setor de mármore e granito, no Estado do Espírito Santo. Esta pesquisa, de cunho exploratório, utilizou a entrevista semiestruturada e as notas de campo como instrumentos de coleta de dados. Participaram da pesquisa, oito famílias, cujo levantamento teve como referência a Comunicação de Acidente de Trabalho. A análise dos dados seguiu o Método de Interpretação de Sentidos. Os resultados indicaram que o acidente de trabalho fatal traz diversas implicações para os filhos, esposas e para os demais membros da família da vítima, como agravos à saúde, mudanças de comportamento e dificuldade em lidar com a ruptura dos planos. As formas de enfrentar a morte indicaram que a superação da perda foi viabilizada principalmente por familiares, amigos e religião, mas outros elementos, como trabalho, estudo e psicoterapia, também foram evidenciados. Em se tratando dos aspectos relacionados com o suporte social, a maioria das empresas cumpriu suas obrigações legais com presteza, e o SINDIMÁRMORE esteve presente como suporte das famílias que não tiveram tais direitos atendidos. O Poder Público foi evidenciado no que tange aos benefícios concedidos às famílias vítimas de acidente de trabalho, mas se mostrou ausente nas ações de transformação da organização do trabalho para prevenção de acidentes. As famílias entrevistadas convivem com os riscos presentes no setor de rochas como parte do trabalho e vivenciam a morte neste contexto com resignação. A visão sobre o acidente de trabalho se mostrou intimamente associada às características da atividade no setor de rochas como: condições de trabalho desfavoráveis à segurança, proximidade entre relações pessoais e profissionais, naturalização dos riscos e falta de informação sobre os acidentes constatada não apenas por parte das famílias, mas também pelos órgãos públicos o que alerta para a urgência de que a análise dos acidentes se torne relevante e promova mudanças necessárias para que eles não se perpetuem.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/3027
Aparece nas coleções:PPGP - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_3705_.pdf326.22 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.