Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/3045
Título: Investimento materno :um estudo das relações entre variáveis moduladoras sob enfoque evolucionista
Título(s) alternativo(s): Maternal investment: A study of relationships among modulating variables under an evolutionary approach
Autor(es): Zortéa, Tiago Carlos
Orientador: Tokumaru, Rosana Suemi
Palavras-chave: Investimento materno
Variáveis ecológicas
Variáveis Biológicas
Data do documento: 15-Jun-2012
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Resumo: O investimento Parental caracteriza-se como qualquer investimento realizado pelo genitor em um filhote, aumentando as chances de sobrevivência deste filhote (e, portanto, o sucesso reprodutivo do genitor), à custa da capacidade para investir em outros filhotes. Este investimento modula-se conforme variáveis ecológicas, características dos pais e da criança. A partir deste pressuposto, este estudo levanta a hipótese de que estes efeitos são mediados pelas expectativas de futuro das mães, que se alteram de acordo com os sinais do ambiente imediato de que o investimento presente pode ser vão na obtenção dos resultados desejados a longo prazo (o sucesso reprodutivo através do investimento parental, por exemplo). Os objetivos deste estudo, portanto, foram (1) verificar a emergência das variáveis latentes condições ecológicas, características da mãe, características da criança, expectativas de futuro e investimento materno; (2) testar um modelo multifatorial de funcionamento do investimento materno sendo influenciado por variáveis ecológicas, características da criança e da mãe por intermédio das expectativas de futuro; e (3) verificar a existência de correlação entre as variáveis observadas. Voluntariamente participaram neste estudo 98 mães de crianças de 0-9 anos, com renda familiar variando de R$ 102,00 a R$ 21.800,00, que vivem na região metropolitana de Vitória, Espírito Santo, Brasil. O instrumento foi composto por um questionário acessando (a) variáveis ​​da criança, (b) variáveis ​​da mãe, (c) variáveis ​​ecológicas (d) investimento materno (participação em vários tipos de cuidados), (e) expectativas de futuro, incluindo desconto do futuro, expectativa de vida e sentimentos sobre o futuro. Embora algumas correlações esperadas tenham ocorrido e os constructos latentes expectativas de futuro e investimento materno tenham emergido, os constructos condições ecológicas, características da mãe e características da criança não emergiram. O modelo de equações estruturais obtido indicou que as expectativas de futuro da mãe foram afetadas pelo sexo da criança e pela qualidade da vida familiar e, por sua vez, exerceram efeito leve sobre o investimento materno. A qualidade da vida familiar correlacionou-se negativamente com as expectativas de futuro das mães e as mães de meninas apresentaram maiores expectativas de futuro que as mães de meninos. A proximidade mãe-criança teve um efeito direto e forte sobre o investimento materno, não mediado pelas expectativas de futuro. Tanto as expectativas de futuro quanto a proximidade mãe-criança correlacionaram-se positivamente com o investimento materno. As variáveis ​​socioeconômicas foram negativamente correlacionados com desconto do futuro, como previsto pela literatura. Concluímos que, embora as expectativas de futuro expliquem em parte o investimento materno, outras variáveis do relacionamento mãe-criança independem daquelas e influenciam mais diretamente o investimento. Sugerimos que o conjunto de variáveis ​​que afetam as expectativas de futuro variam de acordo com características socioeconômicas da amostra. Estudos futuros devem investigar se variáveis ecológicas e biológicas (características da mãe e da criança) irão apresentar impacto sobre o investimento parental somente quando assumirem valores críticos, já que o investimento materno das participantes deste estudo pareceu estar mais sensível aos aspectos de relacionamento interpessoal.
Parental investment is characterized as any investment made by the parent in offspring, increasing their chances of survival (and parents’ reproductive success), at the expense of the ability to invest in other offspring. This investment is modulated by ecological variables, characteristics of parents, and of children. From this assumption, this study raises the hypothesis that these effects are mediated by the mothers’ future expectations, which is affected by immediate environmental cues indicating that this investment could not achieve the desired results in the long term (reproductive success through the parental investment, for example). The objectives of this study were, therefore, (1) to verify the emergence of the latent variables ‘ecological conditions’, ‘mother characteristics’, ‘child characteristics’, ‘future expectations’ and ‘maternal investment’; (2) to test a multifactorial model of maternal investment, that could be influenced by ecological variables and child’s and mother’s characteristics through the mother’s future expectations; and (3) verify the existence of correlation between the observed variables. 98 mothers of children aged 0-9 years participated voluntarily in this study, with family income ranging from R$ 102.00 to R$ 21,800.00, which live in the metropolitan area of Vitória, Espírito Santo, Brazil. The instrument consisted of a questionnaire accessing (a) variables of the child, (b) variables of the mother, (c) ecological variables (d) maternal investment (participation in several types of care), and (e) future expectations, including future discount, life expectancy and feelings about the future. Although some expected correlations have occurred, and the latent constructs ‘future expectations’ and ‘maternal investment’ have emerged, the constructs ‘ecological conditions’, ‘mother characteristics’ and ‘child characteristics’ did not emerge. The obtained structural equation model indicated that future expectations of the mother were affected by sex of the child and the quality of family life and, in turn, had a mild effect on maternal investment. The quality of family life was negatively correlated with future expectations, and the mothers of girls had higher expectations for the future than mothers of boys. The proximity of mother and child had a direct and strong effect on maternal investment, not mediated by future expectations. Both future expectations and mother-child proximity correlated positively with maternal investment. Socioeconomic variables were negatively correlated with future discount, as predicted by the literature. We conclude that although future expectations partially explains maternal investment, other variables of the mother-child relationship are independent of future expectation and most directly influence investment. We suggest that the set of variables that affect future expectations vary according to socioeconomic characteristics of the sample. Future studies should investigate whether ecological and biological variables (characteristics of the mother and child) will have an impact on maternal investment only when assuming critical values, since maternal investment of the participants in this study appeared to be more sensitive to aspects of interpersonal relationships.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/3045
Aparece nas coleções:PPGP - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
tese_4494_.pdf2.23 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.