Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/3051
Título: "Saúde é tudo": as representações sociais de saúde no tratamento do câncer "no sangue" e "nas ínguas"
Autor(es): Coutinho, Bruno Birro
Orientador: Trindade, Zeidi Araújo
Palavras-chave: Saúde
Representações sociais
Leucemia/linfoma
Data do documento: 30-Ago-2005
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Resumo: O trabalho verificou as representações sociais de saúde de indivíduos com leucemia e linfoma, e práticas sociais adotadas no tratamento. Foram entrevistados, individualmente, quatro homens e quatro mulheres, em tratamento quimioterápico (ambulatorial e internação hospitalar), ou em acompanhamento ambulatorial pós-tratamento. Utilizamos entrevista semi-estrutura, cujo roteiro abrangeu o conhecimento da doença/câncer, evolução do tratamento, mudanças de vida, convivência familiar/social, suporte religioso, expectativas, cura, cuidados de saúde e representações sociais de saúde. Os dados foram organizados em estruturas individualizadas, elaboradas a partir de unidades de significado extraídas da análise das entrevistas. A análise dessas estruturas foi realizada com base em três momentos: diagnóstico, tratamento e pós-tratamento. Verificamos que o diagnóstico de leucemia ou linfoma esteve associado à idéia de morte, o que levou à busca imediata pelo tratamento. O elemento predominante nas representações sociais de saúde foi ausência de doença para ser também retorno à vida considerada normal. A cura e o receio do retorno da doença foram as principais expectativas mencionadas e no pós-tratamento os participantes ficaram mais seguros em relação ao planejamento de suas vidas. Crenças alimentares em relação ao surgimento do câncer acarretaram adoção de hábitos alimentares considerados saudáveis. As variações encontradas nos elementos das representações sociais de saúde vêm mostrar a possibilidade da saúde ser pensada a partir de outros determinantes sociais, que não a ausência de doença.
This work verified the social representations about health of individuals with leukemia and lymphoma, and social practices adopted upon treatment. Four men and four women undergoing chemotherapeutic treatment (ambulatory patients and hospital interns), or in post-treatment review, were individually interviewed. A semi-structured interview was utilized, with a script spanning the knowledge of the illness and of the cancer, evolution of the treatment, life changes, familial/social life, religious support, expectations, cure, health precautions, and social representations about health. The data were organized in individualized “structures”, elaborated from units of meaming extracted of the analysis of the interviews. The analysis of these structures was performed based on three moments: diagnosis, treatment, and post-treatment. We verified that the diagnosis of leukemia or lymphoma was associated to the idea of death, what brought the immediate search for treatment. The predominant element in the social representations of health was the absence of disease, but during the treatment health ceases to be only absence of illness to become also the return to normal life, as considered. The cure and the fear of relapse were the main expectations mentioned, and in post-treatment the participants became more confident with respect to their life planning. Beliefs linking the appearance of the disease to eating habits caused the adoption of habits deemed healthy. The variations found in the elements of the social representations about health point out the possibility of health being thought stemming from other social determinants than the absence of disease.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/3051
Aparece nas coleções:PPGP - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
tese_467_.pdf483.99 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.