Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/3134
Título: Uma proposta de análise do coping no contexto de grupo de mães de bebês prematuros e com baixo peso na unidade de terapia intensiva neonatal
Autor(es): Ramos, Fabiana Pinheiro
Orientador: Enumo, Sônia Regina Fiorim
Coorientador: Paula, Kely Maria Pereira de
Data do documento: 31-Ago-2012
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: RAMOS, Fabiana Pinheiro. Uma proposta de análise do coping no contexto de grupo de mães de bebês prematuros e com baixo peso na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. 2012. 349 f. Tese (Doutorado em Psicologia) - Universidade Federal do Espírito Santo, Centro de Ciências Humanas e Naturais, Vitoria, 2012.
Resumo: A Teoria Motivacional do Coping define o enfrentamento como o processo de autorregulação do comportamento, da emoção e da orientação motivacional em condições de estresse psicológico, com o objetivo de manter, restaurar ou reparar necessidades psicológicas básicas de relacionamento, competência e autonomia. Os estressores podem ser percebidos como ameaça ou desafio e seu enfrentamento é analisado em 12 famílias, consideradas o nível mais alto da estrutura hierárquica do coping, segundo seu desfecho adaptativo: (a) positivo (autoconfiança, busca de suporte, resolução de problemas, busca de informações, acomodação e negociação); e (b) negativo (delegação, isolamento, desamparo, fuga, submissão e oposição). Aplicou-se esta abordagem na análise do coping da hospitalização do bebê internado em Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (UTIN) por prematuridade e/ou baixo peso (PT-BP), no contexto de Grupo de Mães (GM), em uma maternidade pública. As participantes foram abordadas no próprio hospital e, após a explicação dos procedimentos da pesquisa, deram seu consentimento por escrito. Foram coletadas as variáveis neonatais na Ficha do Bebê e as 25 mães compuseram uma amostra de conveniência, e preencheram: (a) Protocolo de Registro de Dados Gerais, (b) Critério de Classificação Econômica Brasil, (c) Escala Modos de Enfrentamento de Problemas (EMEP), e (d) Questionário Momento da Notícia. Depois, participaram de um dos 7 GM (2-7 participantes), com metodologia breve e estruturada e composto por: Sessão 1 - Características do bebê e da UTIN - com um Questionário de Avaliação da Intervenção (QUAI); e Sessão 2 - Desenvolvimento infantil e cuidados após a alta hospitalar com Livro de Apoio à Intervenção, QUAI, um Inventário de Satisfação do Usuário e uma entrevista individual sobre o enfrentamento. Três observadores treinados preencheram: (a) Protocolo de Registro de Sessão, (b) Protocolo de Avaliação do Comportamento Verbal e Não Verbal das Mães em Situação de Grupo, e (c) Instrumento de Observação do Padrão de Interação do Mediador em Situação de Grupo. No seguimento, após a alta hospitalar, as mães foram entrevistadas e preencheram a Escala de Eventos Vitais e a EMEP. A análise do processo de enfrentamento mostrou que o momento da notícia da hospitalização e a primeira visita à UTIN causaram grande impacto emocional, com reações de tristeza, preocupação, medo e surpresa, compartilhadas pelos pais. As estratégias de enfrentamento mais utilizadas durante a hospitalização pertenciam às famílias de coping: autoconfiança, negociação, acomodação (mediadas principalmente por crenças religiosas) e busca de suporte (sobretudo do marido/companheiro), percebendo-se a situação como desafio e fonte de amadurecimento pessoal; mas ocorreram também estratégias menos adaptativas como a delegação. Houve correlações significativas entre: (a) nível socioeconômico mais alto e uso de estratégias relacionadas à necessidade de relacionamento; (b) mães multíparas e desamparo, fuga e oposição e estratégias de enfrentamento agrupadas como percepção de ameaça; (c) mães que não trabalhavam fora de casa e autoconfiança; e (d) maior número de dias de internação do bebê e menor delegação. Após a alta hospitalar, a maioria não relatou ter dificuldades com os bebês, apresentando maiores médias de negociação, autoconfiança, acomodação e busca de suporte e redução significativa de delegação. Duas mães enfrentaram diferentemente a perda dos filhos: com autoconfiança e resolução de problemas, e outra com negociação e autoconfiança; mas ambas apoiando-se na religião. Os GM tiveram boa adesão e avaliação pela aprendizagem, suporte psicológico oferecido e troca de experiências entre as mães, que relataram sentir-se melhor após as sessões. A mediadora do GM seguiu os critérios para a promoção do coping, especialmente no fornecimento de estrutura (contexto previsível, contingente e consistente). Os dados sugerem que o GM ajudou a promover o coping dessas mães ao alterar sua percepção de controle e de suporte social, e aumentar a satisfação de suas necessidades de competência e de relacionamento. Esta pesquisa apresentou a viabilidade do sistema de 12 famílias de coping para a análise do enfrentamento em adultos, forneceu contribuições teórico-metodológicas ao estudo do coping, e ampliou o conhecimento sobre o tema central ao identificar e analisar as estratégias de enfrentamento utilizadas pelas mães na relação com o estressor - hospitalização do bebê PT-BP em UTIN em vários momentos, mapeando o processo de enfrentamento dessas mães. Além disso, mostrou a importância de intervenções breves em Psicologia Pediátrica, capazes de promover o enfrentamento. Espera-se que as melhorias no processo de enfrentamento geradas pela participação das mães nesta pesquisa possam ter tido, no longo prazo, resultados positivos na sua saúde física e mental, e, cumulativamente, no curso do desenvolvimento de seus bebês. Palavras-chave: 1) Enfrentamento; 2) Coping; 3) Intervenção Psicológica; 4) Nascimento Prematuro; 5) Grupos de Apoio.
The Motivational Theory of Coping defines coping as the process of self-regulation of behavior, emotion and motivational orientation in conditions of psychological stress, in order to maintain, restore or repair basic psychological needs of relatedness, competence and autonomy. Stressors may be perceived as a threat or challenge and coping is parsed into 12 "families", which represent the highest level of the hierarchical structure of coping, according to its adaptive outcome: (a) positive - self-reliance, support seeking, problem solving, information seeking, accommodation and negotiation; and (b) negative - delegation, isolation, helplessness, escape, submission and opposition. This approach was applied in the analysis of coping of the hospitalization of a newborn admitted to the Neonatal Intensive Care Unit (NICU) for preterm birth and/or low birth weight (PT–LW) in the context of a Group of Mothers (GM) in a public hospital. The participants were approached in the hospital and, after the research procedures explanation, they gave their written consent. Neonatal variables were collected on the Baby Form and 25 mothers comprised a convenience sample, and filled: (a) General Data Registration Protocol; (b) Brazil Criterion of Economic Classification; (c) The Ways of Coping Checklist (Brazilian version - EMEP); and (d) The Moment of the News Questionnaire. Then, they participated in one of the seven GM (2-7 participants), with brief and structured methodology and comprising: Session 1 - Characteristics of the baby and the NICU - with a Intervention Assessment Questionnaire (IAQ); and Session 2 - Child development and care following hospital discharge - with Book of Support to Intervention, IAQ, a User Satisfaction Inventory and an individual interview about coping. Three trained observers filled in: (a) Session Registration Protocol; (b) Protocol for Evaluation of Verbal and Nonverbal Behavior of Mothers in a Group Situation; and (c) Observation Instrument of the Mediator's Interaction Pattern in a Group Situation. During follow up after hospital discharge, mothers were interviewed and completed the Vital Events Scale and EMEP. The analyses of the coping process showed that the moment of the news of hospitalization and the first visit to the NICU caused great emotional impact, with reactions of sadness, worry, fear and surprise, shared by the parents. The coping strategies most frequently used during hospitalization belonged to families of coping self-reliance, negotiation andaccommodation (mediated primarily by religious belief) and support seeking (especially from husband/partner), perceiving the situation as a challenge and source of personal growth; but less adaptive strategies, such as delegation, also occurred. There were significant correlations between: (a) higher socioeconomic level and use of strategies related to the need for relatedness, (b) multiparous mothers and helplessness, escape and opposition and coping strategies grouped as perception of threat, (c) mothers who were not working out of home and self-reliance, and (d) greatest number of days of baby's hospitalization and less delegation. After hospital discharge, most did not report having difficulties with the babies, presenting higher average of negotiation, self-reliance, accommodation and seeking support and a significant reduction of delegation. Two mothers faced the loss of their children differently: with self-reliance and problem solving, and the other with negotiation and self-reliance, but both of them relied on religion. The GM had good adherence and positive evaluation due to learning, psychological support offered and exchange of experiences among mothers who reported feeling better after the sessions. The mediator of the GM followed the criteria for promoting coping, especially in providing structure (a predictable, consistent and contingent context). The data suggest that GM has helped promote the coping of these mothers when changing their perception of control and social support, and enhancing the satisfaction of their needs for competence and relatedness. This research presented the workability of the 12 families of coping system for the analysis of coping in adults, provided theoretical and methodological contributions to the study of coping, and broadened knowledge about the central theme by identifying and analyzing the coping strategies used by mothers in relation to the stressor – hospitalization in the NICU of PT–LW newborn's – on several occasions, mapping the process of coping with these mothers. Additionally, it has shown the importance of brief interventions in Pediatric Psychology, enabling coping promotion. It is expected that improvements in the coping process generated by the participation of the mothers in this research may have had, in the long term, positive results in their physical and mental health, and, cumulatively, in the course of their babies’ development.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/3134
Aparece nas coleções:PPGP - Teses de doutorado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_3518_Tese Fabiana Pinheiro Ramos versão final 16 06 2013.pdf14.83 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.