Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/3199
Título: O vervo satírico: provérbio e proverbialização na sátira galego-portuguesa
Autor(es): Falcão, Fernanda Scopel
Orientador: Sodré, Paulo Roberto
Data do documento: 25-Abr-2008
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Resumo: Estuda a presença de provérbios em cantigas satíricas galego-portuguesas de trovadores e jograis que atuaram nas cortes reais de Afonso X (1252-1284), em Castela, e de Afonso III (1245-1279), em Portugal, onde se observa uma crescente moda popularizante. Situa o jugar de palabra galego-português a partir de seu contexto de produção, justapõe-no brevemente à história do riso e da literatura satírica precedentes, além de destacar as intenções, modalidades e marcas formais da sátira galego-portuguesa. Percebe que, apesar de essa poética cortês aproveitar o provérbio, poucos foram os trabalhos sobre a inserção desse elemento nas cantigas, sobretudo nas satíricas. Reconhecendo sua importância para os estudos literários, propõe a investigação desse aproveitamento nas sátiras produzidas pelos trovadores e jograis afonsinos. Para tanto, estabelece a genologia proverbial, para estudar a definição e as características formais e funcionais das parêmias, além de observar seu papel dentro dos textos trovadorescos ibéricos. Verifica que no cancioneiro há não somente o uso de provérbios já conhecidos, mas também o da proverbialização técnica pela qual o trovador ou jogral, baseado numa forma existente, cria uma nova expressão que, além de aparentar-se ao provérbio, funciona retoricamente como um. Com essa constatação, faz um levantamento dos provérbios e proverbializações encontrados nas cantigas satíricas compostas pelos trovadores e jograis afonsinos, obedecendo a critérios específicos: se é encontrado algum registro da expressão em recolhas de provérbios ou estudos sobre o tema, ou se o próprio trovador a trata como tal, tem-se um indício de que é possivelmente um provérbio, ainda que perdido; caso isso não ocorra, compara-se a estrutura da expressão com as marcas da genologia proverbial e com os provérbios já existentes e se a frase se assemelha a eles, em forma e/ou função, é considerada uma proverbialização. São selecionadas cinqüenta e nove expressões em quarenta e seis sátiras. Com esse levantamento, verifica-se que, dos cinqüenta e nove compositores investigados, vinte utilizaram o recurso em pelo menos um texto seu; e que João Soares Coelho foi o que mais aproveitou o elemento proverbial: nove expressões em quatro textos. As frases selecionadas nas cantigas desse autor são analisadas mais detidamente, num estudo retórico-interpretativo, para que se possa observar a função e os efeitos poéticos dessa inserção. Reconhece o emprego de provérbios e proverbializações como recurso técnico da sátira medieval peninsular produzida nas cortes afonsinas do século XIII.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/3199
Aparece nas coleções:PPGL - Teses de doutorado

Arquivos associados a este item:
Não existem arquivos associados a este item.


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.