Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/3281
Título: A narrativa policial de Rubem Fonseca : o caso Mandrake, a bíblia e a bengala
Autor(es): Oliveira, Gabriela Nunes de Deus
Orientador: Trefzger, Fabiola Simão Padilha
Data do documento: 25-Ago-2014
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Resumo: Em 2005, Rubem Fonseca lança o livro Mandrake, a Bíblia e a bengala, reutilizando um dos seus personagens mais famosos, o advogado Paulo Mendes, conhecido como Mandrake, em mais duas histórias de cunho investigativo. Esta pesquisa consiste em um estudo das duas novelas que compõem o livro, com o objetivo de observar como nessa obra Rubem Fonseca mantém aspectos já presentes em outras narrativas protagonizadas pelo advogado-detetive Mandrake: a apropriação da tradição da literatura policial e o deslocamento das regras do gênero. Para tanto, com base nos conceitos teóricos provenientes de Medeiros e Albuquerque (1973, 1979); Mandel (1988); Boileau & Narcejac (1991); Todorov (2003), analisamos as características do gênero policial, conferindo destaque para dois principais subgêneros: o romance de enigma, pautado na crença na racionalidade analítica que leva de modo impecável o detetive à resolução final dos crimes; e o romance negro, que se ambienta no submundo brutal da corrupção e do crime, das relações ambíguas, o que viabiliza a emergência de um novo tipo de detetive: duro, brutal e falível. A partir daí, realizamos uma breve apresentação da literatura policial produzida no Brasil, e em seguida delineamos as principias características dos textos policiais de Rubem Fonseca. Por fim, analisamos o modo como o autor subverte os limites do gênero policial na composição de suas novelas, na medida em que ativa técnicas literárias próprias de ambos os subgêneros e que apresenta Mandrake ora como um detetive ambíguo, ora como um detetive que não detecta os crimes.
In 2005, Rubem Fonseca releases the book named, Mandrake, a Bíblia e a bengala, where one of his most famous characters reappears, the lawyer Paulo Mendes, known as Mandrake, in more two stories of investigative nature. This is a study made in order to observe how Rubem Fonseca recreates, in the present work, aspects previously presented in other stories carried out by the detective-lawyer Mandrake: the tradition of police literature appropriation and the displacement of the rules of genre. For that, based on theoretical concepts by Medeiros e Albuquerque (1973, 1979); Mandel (1988); Boileau & Narcejac (1991); Todorov (2003), we analyse the characteristics of the detective genre, giving special emphasis to two main subgenres: the enigma novel, based on the belief in the analytical rationality that leads the detective to the perfect final resolution of the crimes; and the black novel, which takes place in the brutal underworld of corruption and crime, ambiguous relationships, which claims the emergence of a new kind of detective: hard, brutal and fallible. Thereafter, we will conduct a brief presentation of police literature produced in Brazil, and then we will outline the main characteristics of Rubem Fonseca writings. Finally, we intend to analyse how the author subverts the limits of the detective genre in the composition of his novels, to the extent that activates his own literary techniques in both subgenres presenting Mandrake either as an ambiguous detective, or as a detective who does not solve crimes.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/3281
Aparece nas coleções:PPGL - Teses de doutorado

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
tese_8080_Dissertação de Gabriela.pdf736.6 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.