Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/3338
Título: Revolta negra na freguesia de São José do Queimado : escravidão, resistência e liberdade no século XIX na província do Espírito Santo (1845-1850)
Autor(es): Cardoso, Lavínia Coutinho
Orientador: Soares, Geraldo Antonio
Data do documento: 22-Ago-2008
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Resumo: A Insurreição do Queimado é resultado da construção de processo político de conquista da liberdade, em busca da carta de alforria. As variadas formas de resistência negra à escravidão, como fuga, formação de quilombos, assassinato de senhores e as insurreições, nos revelam as contradições existentes na sociedade do século XIX. Mesmo na condição de cativos, no século XIX, os negros paulatinamente foram conquistando alguns espaços de liberdade, a terem, inclusive, uma hierarquia informal entre eles, com lideranças capazes de arregimentar pessoas para o trabalho e de negociar com as autoridades locais, quer fosse sacerdote da igreja católica, quer fosse seu senhor. A rede de ações que antecede ao dia 19 de março de 1849 se traduz no que denominamos sincopa libertária, na medida em que estabelece uma negociação pela liberdade, nos espaços de improviso do cotidiano, e exercita o diálogo como forma de fazer ou de promover políticas emancipatórias. A libertação em troca dos préstimos na construção de uma igreja católica e a negociação diante do impasse criado pelo pároco resultaram em uma ação violenta, por parte dos escravos, como meio de garantir a liberdade. Isso acabou por culminar na prisão e na fuga dos negros, diante da ação das forças repressoras da polícia local. Para os escravizados do Queimado, esse fato significou possuir a Carta de Alforria, ou seja, sair da condição jurídica de cativo para tornar-se dono de sua liberdade, nos termos do que esta significa no séc. XIX.
The insurgency Queimado is the result of the construction of the political process of conquest of liberty in search of the letter of manumission. The various forms of black resistance to slavery and scape, the formation of quilombos, muder of you and uprisings is showing the contradictions in society of the nineteenth century. Even in the condition of prisoners of war in the nineteenth century the blacks came gradually gaining some areas of freedom, and even an informal hierarchy between them, with leaders able to arregimentar people to work and negotiate with local authorities, whether it be the Catholic priest or its sir. The network of shares before the March 19, 1849 is reflected in what we call syncope libertarian in that it establishes a dialogue to negotiate the freedom of improvisation in the spaces of daily life, exercises and dialogue as a way to make or promote policies emancipating. The freedom in exchange for loans in building a Catholic church, the negotiation before the impasse created by the parish priest, resulted in a violent action on the part of slaves as a means of ensuring the freedom, which resulted in the imprisonment and escape before the action of forces repressor as local police. For those of enslaved blacks Queimado that means having the Charter of Alforria; or leave the legal condition of captive to become owners of their freedom in terms of what this means in the sixth century XIX.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/3338
Aparece nas coleções:PPGHIS - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
tese_3187_Lavínia_Coutinho_Cardoso.pdf1.76 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.