Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/3420
Título: Em Silêncio Eles Esperam pela Tempestade: o Neoconservadorismo e a Revolução Nicaraguense (1981-1986)
Autor(es): PINTO, L. A. G.
Orientador: GIL, Antonio C. A.
Data do documento: 6-Jun-2005
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: PINTO, L. A. G., Em Silêncio Eles Esperam pela Tempestade: o Neoconservadorismo e a Revolução Nicaraguense (1981-1986)
Resumo: Este trabalho tem como objetivo, demonstrar a ascensão do projeto hegemônico neoconservador, nos Estados Unidos. E como seus principais pressupostos ideológicos são operacionalizados no interior dos pronunciamentos do presidente Ronald Reagan, sobre a Nicarágua. Os discursos foram direcionados à população norte-americana, e não aos países da América Central, como seria de se supor. O avanço do neoconservadorismo, assentou-se sobre bases históricas bem definidas. Esse início pode ser localizado no final dos sessenta, durante o governo Johnson, e suas políticas sociais, passando pela crise política e moral Watergate, e a perda de confiança no poderio nacional, a partir da derrota na Guerra do Vietnã. Outro importante foco do neoconservadorismo, foi o excesso do Estado de bem-estar, que eles acreditavam, penalizou os setores produtivos da sociedade norte-americana. Reagan deu ênfase aos seguintes conceitos: liberdade-mercado, nação e nacionalismo, democracia e totalitarismo. Estes conceitos permitirão entender porque os ataques à Nicarágua se tornaram um importante elemento para a política externa dos Estados Unidos. Palavras-chave: Neoconservadorismo, Liberdade, Democracia, Nação, Totalitarismo e Revolução.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/3420
Aparece nas coleções:PPGHIS - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_3431_Luiz_Antônio_Gomes_Pinto.pdf1.06 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.