Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/3422
Título: Relações sociais, conflitos e espaços de sociabilidade : formas de convívio no Município de Vitória, 1850-1872
Autor(es): Bastos, Fabíola Martins
Orientador: Campos, Adriana Pereira
Data do documento: 9-Jul-2009
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Resumo: A dissertação discute as formas de sociabilidades engendradas pela população do Município de Vitória entre os anos de 1850 e 1872. A escolha da data inicial deveu-se ao fato de no ano de 1850 terem ocorrido alterações na Província do Espírito Santo com a expansão da lavoura do café, em conseqüência da ampliação da cultura no norte fluminense, que alcançou as terras capixabas. O marco final localiza-se no ano de 1872, pois houve fortes alterações advindas da Lei do Ventre Livre, como o surgimento de clubes abolicionistas e associações leigas, que refletiram nas formas de convívio no limiar da década de 1870. Os primeiros anos daquele decênio marcaram a transição da sociabilidade informal para a formal, caracterizada pelos grêmios, associações leigas e sociedades. Os encontros destinados ao divertimento e às conversas despretensiosas do dia-a-dia perderam, gradativamente, espaço para as reuniões em estabelecimentos particulares específicos para esse fim. Nesta dissertação, portanto, desenvolveu-se o conceito de sociabilidade baseando-se nas formulações de Max Weber, Arlette Farge, Maurice Agulhon, e Maria Alexandre Lousada . Discute-se as relações sociais construídas cotidianamente nas ruas, nos chafarizes, nas lojas de comércio, nas praças, nos cais e nas estradas. As fontes desta dissertação consistiram fundamentalmente nos periódicos Correio da Victoria e Jornal da Victoria e nos processos criminais de injúria e agressão física. Nesses documentos buscou-se elucidar o código informal de convivência construído e legitimado cotidianamente pela população capixaba. Buscou-se, igualmente, determinar os limites desse convívio informalmente normatizado que resultavam em sociabilidades violentas.
The dissertation discuss the ways of established sociability’s through the population of Vitória County, between the year 1850 and 1872. The initial date was choose by the alterations that occurred on Espírito Santo territory in 1850 with the expansion of the coffee’s fieldwork, when the north fluminense’s culture spreaded, reaching out the capixaba’s soil. The final mark it’s locate in the year of 1872, when strong changes came from “Ventre Livre Law”, with the arise of legal associations and abolisher’s clubs, that reflects the ways of living in the beginning of 1870 decade. The first years of that decade marked the transition of the informal to a formal sociability, characteristic by lay and societies’ associations, communities. The meetings meant to entertain and the day by day talk, slowly, lost space to the meeting in privates establishments with the same purpose. In this dissertation, therefore, it developed the concept of sociability, based upon the formulations of Max Weber, Arlette Farge, Maurice Agulhon and Maria Alexandre Lousada. The socials’ relations built daily are discussed in the streets, waterfronts, parks, stores, quay piers and roads. The sources of this dissertation consist on “Correio da Victoria” and “Jornal da Victoria” and criminal’s process of insult and physical aggression. The informal way of daily built and rightful by the “capixaba” population’s is clear sought in this documents. Equally sought to determined the limits of this daily living informally created that resulted in sociabilities’ violence.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/3422
Aparece nas coleções:PPGHIS - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
tese_3441_Fabíola_Martins_Bastos.pdf4.4 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.