Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/3423
Título: Religião e Violência na África Romana:A gostinho e Os Donatistas
Autor(es): GONCALVES, J. M.
Orientador: FELDMAN, S. A.
Data do documento: 9-Jul-2009
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: GONCALVES, J. M., Religião e Violência na África Romana:A gostinho e Os Donatistas
Resumo: Em 311 d.C., um cisma dividiu a Igreja da África do Norte. Um grupo de bispos da Numídia não reconheceu a legitimidade da consagração de Ceciliano, novo bispo de Cartago, alegando que tanto ele quanto os que o ordenaram haviam traído a fé durante a Grande Perseguição de Diocleciano (284-305). Consagram o seu próprio bispo e afirmam ser a verdadeira Igreja cristã, a Igreja dos mártires. Os católicos partidários de Ceciliano os chamarão de donatistas, por causa de um dos seus líderes, o bispo Donato de Cartago. A interferência do poder imperial na disputa favoreceu o grupo católico e colocou os donatistas na mira da repressão oficial. Neste trabalho procuramos analisar os discursos de Agostinho de Hipona (354-430), nos quais ele procurou legitimar o uso da violência imperial contra os donatistas. Partimos da hipótese de que, para cumprir tal objetivo, ele procurou construir uma representação estigmatizante dos seus adversários que permitia justificar as ações do poder civil contra os mesmos. A metodologia utilizada é a da Análise do Discurso.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/3423
Aparece nas coleções:PPGHIS - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_3442_José_Mário_Gonçalves.pdf511.95 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.