Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/3423
Título: Religião e violência na África romana : Agostinho e os donatistas
Autor(es): Gonçalves, José Mário
Orientador: Feldman, Sergio Alberto
Data do documento: 9-Jul-2009
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Resumo: Em 311 d.C., um cisma dividiu a Igreja da África do Norte. Um grupo de bispos da Numídia não reconheceu a legitimidade da consagração de Ceciliano, novo bispo de Cartago, alegando que tanto ele quanto os que o ordenaram haviam traído a fé durante a Grande Perseguição de Diocleciano (284-305). Consagram o seu próprio bispo e afirmam ser a verdadeira Igreja cristã, a “Igreja dos mártires”. Os católicos – partidários de Ceciliano – os chamarão de donatistas, por causa de um dos seus líderes, o bispo Donato de Cartago. A interferência do poder imperial na disputa favoreceu o grupo católico e colocou os donatistas na mira da repressão oficial. Neste trabalho procuramos analisar os discursos de Agostinho de Hipona (354-430), nos quais ele procurou legitimar o uso da violência imperial contra os donatistas. Partimos da hipótese de que, para cumprir tal objetivo, ele procurou construir uma representação estigmatizante dos seus adversários que permitia justificar as ações do poder civil contra os mesmos. A metodologia utilizada é a da Análise do Discurso.
In 311 AD, a schism split the church of North Africa. A group of bishops of Numídia didn´t recognize the legitimacy of the consecration of Caecilian, new bishop of Carthage, alleging that he was consecrated by those that had betrayed the faith during the Great Persecution of Diocletian (284-305). They consecrate their own bishops and claim to be the true Christian Church, the “Church of martyrs”. The Catholics - supporters of Caecilian - call them “Donatists”, because one of his leaders, the bishop Donatus of Carthage. The interference of imperial power in the dispute helped the Catholic group and placed the Donatists in the crosshair of official repression. In this work we tried to analyze the speeches of Augustine of Hippo (354-430), in which he sought to legitimize the use of violence against the Donatists. Our hypothesis is that, to achieve this goal, he sought to build a representation stigmatizing their opponents who would justify the actions of the civil power against them. The methodology used is that of Discourse Analysis.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/3423
Aparece nas coleções:PPGHIS - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
tese_3442_José_Mário_Gonçalves.pdf511.95 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.