Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/3502
Título: Criar Laços para Viver Juntos: a Constituição de Famílias Entre Os Escravos de Vitória, 1850-1871.
Autor(es): FARIA, R. F.
Orientador: SOARES, G. A.
Palavras-chave: Vitória (ES)
2
Escravidão
3
Família
I
Soares
Geraldo
Data do documento: 24-Abr-2013
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: FARIA, R. F., Criar Laços para Viver Juntos: a Constituição de Famílias Entre Os Escravos de Vitória, 1850-1871.
Resumo: A dissertação discute as relações familiares entre os cativos na cidade de Vitória, capital da Província do Espírito Santo, no decorrer do período compreendido entre 1850 e 1871. Trata-se de uma região voltada para o abastecimento interno e caracterizada pelo predomínio de pequenas e médias escravarias, cuja reposição realizou-se principalmente via reprodução endógena. Nesse contexto, analisa-se a família escrava em suas múltiplas faces, para além das relações consanguíneas, incluindo os laços estabelecidos por meio do matrimônio e do compadrio cristão. Busca-se também compreender o universo das relações ilícitas (constituídas à margem das normas eclesiásticas) construídas na convivência cotidiana entre escravos, livres pobres e até mesmo senhores. Se, por um lado, o matrimônio foi o recurso mais utilizado para estabelecer alianças dentro do cativeiro, o compadrio, por sua vez, permitiu aos cativos estenderem seus laços de solidariedade para fora do cativeiro, abarcando escravos de outros plantéis, forros e livres. Para os casais caracterizados por desigualdades sociais e raciais a ilegitimidade constituiu o lugar por excelência para o desenvolvimento de suas relações familiares e sexuais. Voltamos a atenção ainda para as atitudes dos senhores em relação a seus escravos especialmente no que respeita aos seus laços familiares num momento muito particular: diante da morte. Além disso, discute-se a estabilidade familiar cativa por meio do acompanhamento do destino desses núcleos familiares após a morte do senhor e a consequente partilha de seus bens. Foram utilizadas como fontes desta dissertação os inventários post-mortem, os testamentos, os registros eclesiásticos (de batismo, casamento e óbito), os diários de visitas pastorais e os relatórios provinciais. Nesses documentos buscou-se compreender de que modo os escravos em suas múltiplas relações sociais traçaram estratégias as mais diversas, com o intuito de forjaram melhores condições de existência.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/3502
Aparece nas coleções:PPGHIS - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_5477_.pdf1.2 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.