Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/3674
Título: A leitura heideggeriana do Livro X de As Confissões: memória, vida feliz e tentações
Autor(es): MATIAS, J. P.
Orientador: SANTOS, J. A. S.
Palavras-chave: Santo Agostinho
Heidegger
Fenomenologia
Vida religiosa
Data do documento: 15-Set-2014
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: MATIAS, J. P., A leitura heideggeriana do Livro X de As Confissões: memória, vida feliz e tentações
Resumo: Santo Agostinho é um filósofo que irradiou o seu pensamento ao longo do tempo. Sua filosofia é, sem dúvida, uma caminhada em busca da verdade e aquele que com ele caminhar encontrará em cada passo dado a libertação do homem nessa verdade que se realiza na vida. Nenhuma obra revelou de forma tão verdadeira essa procura de Agostinho quanto as Confissões. Aqui uma jornada se inicia dentro dele e diante dos homens, num constante louvor a Deus. Aqui se abre uma travessia com o autor medieval na busca por essa vida verdadeira, pela beata vita, seguindo o caminho que leva ao si mesmo do homem, chegando aos limites da Memória nisso que quer procurar e encontrar a vida de sua vida. No livro X de suas Confissões principia-se esse caminhar. Heidegger encontrou em Agostinho a trajetória para entender a experiência de vida religiosa, viu em Santo Agostinho um pensador que, embora envolto numa realidade dogmática, pode ser interpretado pelos olhos da verdadeira vida cristã. Heidegger encontrou uma vida vivida sempre aberta e em direção a algo já determinado. Santo Agostinho revela em suas Confissões essa busca que nunca cessa, vivendo em direção a Deus, sendo nEle, vivendo nEle, numa relação onde a vida se realiza. Este trabalho seguirá na compreensão do percurso trilhado pelo jovem Heidegger para entender em Agostinho essa procura por si mesmo e por Deus, ultrapassando os limites da Memória para, finalmente, encontrar a vida feliz, caminhada realizada na vida mesma, na experiência fáctica da vida, na experiência da tentatio que, mais do que a possibilidade de perder a si mesmo, é também o lugar onde o homem pode encontrar-se.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/3674
Aparece nas coleções:PPGFIL - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_8076_DISSERTAÇÃOJULIANAMATIAS2015 (4)20160324-72707.pdf1.2 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.