Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/3708
Título: O Discurso de Auto-Ajuda em Revistas Femininas: Aspectos Retóricos e Discursivos
Autor(es): AGUIAR, A. E.
Orientador: VIDON, L. N.
Palavras-chave: Discurso de Auto-Ajuda
Revistas Femininas
Retórica
Data do documento: 24-Abr-2009
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: AGUIAR, A. E., O Discurso de Auto-Ajuda em Revistas Femininas: Aspectos Retóricos e Discursivos
Resumo: Realizou-se neste trabalho um estudo do discurso de auto-ajuda, em um corpus formado por 13 reportagens extraídas das revistas femininas Claudia e Nova do ano de 2007. Embasado nos estudos de Aristóteles sobre Retórica e nas teorias do Tratado da Argumentação de Perelman e Olbrechts-Tyteca (1996), investigou-se os aspectos retóricos e discursivos presentes nesse discurso, verificando as técnicas e estratégias utilizadas pelo orador com a finalidade de persuadir e conquistar a adesão do auditório. Inicialmente, demonstra-se a relação que a ascensão do individualismo, na sociedade moderna, tem com a origem e o crescimento da auto-ajuda. Posteriormente, faz-se a definição de gênero à luz dos conceitos bakhtinianos, enquadrando a auto-ajuda como gênero relativamente estável, que possui suas peculiaridades. A seguir, é feito um estudo da história das revistas Claudia e Nova, objetos de análise desta pesquisa, demonstrando como o discurso de auto-ajuda está imbricado no corpo dessas revistas. A partir daí, analisa-se as estratégias usadas pelo orador do discurso de auto-ajuda, com o intuito de persuadir o auditório. Nota-se que o ethos do orador do discurso de auto-ajuda trata-se do ethos do sujeito firme, autoconfiante, determinado, portador e doador da verdade, que age de acordo com os seus objetivos e interesses, bem de acordo com o individualismo da pós-modernidade. Em seguida, verifica-se que, ao despertar o pathos, o orador causará mudanças nos ânimos do auditório, levando-o à ação, o que é fundamental para a eficácia do discurso de auto-ajuda. Na seqüência, através do estudo das perguntas retóricas, constata-se que, com o uso dessa estratégia, o orador estabelecerá uma relação monológica com o auditório, fazendo-o assumir como sendo suas as dúvidas simuladas por ele, manipulando o público a agir conforme suas vontades. Depois disso, analisa-se a relação das técnicas argumentativas, propostas por Perelman no Tratado da Argumentação, têm com o discurso de auto-ajuda e como elas contribuem para que o orador consiga persuadir o auditório, manipulando-o a agir de acordo com seus preceitos.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/3708
Aparece nas coleções:PPGEL - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_3449_Dissertação Andre Effgen.pdf73.32 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.