Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/3728
Título: A Variação Morfossintática do Artigo Definido na Capital Capixaba
Autor(es): CAMPOS JUNIOR, H. S.
Orientador: YACOVENCO, L. C.
Palavras-chave: Sociolinguística Variacionista
artigo definido
capital cap
Data do documento: 15-Fev-2011
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: CAMPOS JUNIOR, H. S., A Variação Morfossintática do Artigo Definido na Capital Capixaba
Resumo: A finalidade deste estudo foi investigar, à luz da Sociolinguística Variacionista, a variação morfossintática ausência/presença de artigo definido antes de antropônimos e possessivos no Português falado na cidade de Vitória (ES), a fim de delimitar, em última instância, a tendência capixaba para esse aspecto morfossintático, estabelecendo-o como (um) traço de identidade linguística dentro do cenário nacional. Buscou-se entender quais fatores influenciam a alternância entre a presença e a ausência do artigo definido diante antropônimos, em construções como totalmente diferente de Æ Isabela/tava tendo o casamento do meu tio Nim, e possessivos, em enunciados do tipo mora Æ minhas tias... os meus tios.... Tomando como referência os trabalhos de Silva (1982, 1996a, 1996b) e Callou e Silva (1997), foram selecionadas para esta amostra vinte entrevistas realizadas pelo Projeto PORTVIX (Português falado na cidade de Vitória/ES) com 20 falantes capixabas. Os principais resultados obtidos por meio do tratamento estatístico dos dados no Programa VARBRUL foram gerados em duas etapas separadas. Na primeira etapa de testes, que diz respeito aos antropônimos, num conjunto total de 300 ocorrências e um percentual global de uso do artigo definido em torno de 39%, o programa apontou quatro grupos como sendo os mais significativos do ponto de vista estatístico, na seguinte ordem de seleção: gênero do antropônimo, traços supra-segmentais, faixa etária e gênero do falante. No que concerne ao contexto dos pronomes possessivos, em um total de 1016 ocorrências e um percentual global de uso do artigo em torno de 33%, o programa selecionou os grupos ausência/presença e tipo de preposição, tipo do possessivo e outras formas, natureza do possuído, nível de escolaridade e gênero do falante como os mais significativos. Em linhas gerais, os resultados apontam que, em termos de percentuais globais de uso do artigo, os capixabas da cidade de Vitória (ES) usam menos artigo do que outras regiões do país. Esse percentual foi de 39%, no contexto dos antropônimos, e 33% no contexto de pronomes possessivos, o que alinha a capital do Espírito Santo, no contexto dos antropônimos, com o Rio de Janeiro (43%). Por outro lado, no contexto do possessivo, não há comparação razoável, haja vista que Vitória (ES) está consideravelmente afastada das demais capitais brasileiras inventariadas até o momento: as cidades de Recife e Salvador, que apresentam os menores índices, estão na casa dos 60% contra apenas 33% da capital capixaba. Destarte, a tendência à ausência do artigo definido parece configurar-se como uma marca identitária inconsciente na capital capixaba.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/3728
Aparece nas coleções:PPGEL - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_4663_.pdf1.76 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.