Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/4399
Título: A construção coletiva dos espaços livres públicos : o arquiteto e os procedimentos participativos : recentes experiências em Vitória (ES)
Autor(es): Aliprandi, Danielly Cozer
Orientador: Freitas, José Francisco Bernardino
Data do documento: 30-Mar-2011
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Resumo: No processo de desenvolvimento da cidade, são envolvidos três principais agentes: Estado, técnicos de diferentes disciplinas e sociedade. Faz parte dessa sociedade uma diversidade de grupos, das quais se sobressaem, do ponto de vista da participação nas decisões políticas, membros de uma elite econômica. A não familiaridade da maior parte da população, seja com os aspectos técnicos que envolvem o processo de construção das cidades, ou com suas leis e todo o funcionamento do processo, faz com que este seja o agente que menos conhecimento tem dos instrumentos que pode utilizar para interferir no processo decisório. Os profissionais de diferentes áreas do conhecimento que atuam no processo participativo são encarregados, dentre outras coisas, de trazer informações técnicas aos demais envolvidos, sendo o arquiteto aquele usualmente responsável em levar os resultados das discussões para a prancheta. No momento de projetar e, para alcançar maior margem de segurança na aceitação dos espaços derivados de seus projetos, é necessário que ele busque alternativas metodológicas para a elaboração do mesmo. É de nosso entendimento e o que nos propusemos comprovar, que o ponto de partida para isso é o estreito conhecimento e a proximidade com a realidade dos usuários do espaço. Devido a esta proximidade, o arquiteto pode desempenhar importante papel no processo participativo, especialmente quanto à capacitação do usuário e à ampliação de suas percepções espaciais. Por esta razão, pretende-se analisar os instrumentos e procedimentos que estão à disposição do arquiteto para possibilitar o estímulo e a ampliação da percepção da população quanto ao espaço que a circunda e conferir-lhe informação variada a respeito do mesmo. Esses resultados permitem que o cidadão amplie seu espectro de possibilidades quanto ao potencial de utilização do espaço, suas deficiências e ausências e o habilita a participar de forma ativa e significativa nas discussões do processo de construção dos espaços livres públicos da cidade em que vive. Acredita-se que, com o auxílio de determinados procedimentos da pesquisa-ação, se o arquiteto puder fazer com que a população perceba as possibilidades e necessidades de apropriação do espaço público, terá como retorno base consistente para a elaboração de projetos mais condizentes com a realidade e vontade dos usuários. Isso, possivelmente, ocasionará maior margem de aceitação e apropriação dos espaços, por parte de seus principais usuários, ampliando-se assim, a ocorrência da esfera de vida pública.
During the city development, there are three main agents. The State, the technicians from different fields and societies. A diversity of groups makes part of that society, from which we can highlight, based on the participation in the political decisions, the members of an economical elite. The lack of familiarity of most of the population, either when it comes to the technical aspects that involve the process of building cities or regarding their regulations and all the process development, make them deeply unaware of the instruments they can use to interfere in the decisive process. The professionals from different areas of knowledge that are involved in the participative process are in charge of, besides other things, bringing technical information to the other members in the process, being the architect the one responsible for taking the results of the discussions into the project. When projecting, for better assure the acceptance of the space derived from his/her project, it is necessary that she/he think about methodological options to design it. We understand and try to prove that the starting point for that is the close knowledge and the intimacy with the users of that space. Due that intimacy, the architect can play an important role in the participative process, especially when it comes to the qualification of the user and his/her spacious perceptions Because of that, it is intended to analyze the instruments and procedures that are at the architect disposal to turn possible the stimulus and the improvement of the population’s perception concerning the space that surround them and give them lots of information about it. Those results make all the citizens able to amplify their range of possibilities related to the potential use of the spaces, their defects and necessities and turn them able to participate actively and decisively in the discussions during the process that involves the construction of free public spaces in the city where they live. It is assumed that, with the help of some research and action procedures, if the architect is capable to make the population notice the possibilities and necessities of the public spaces appropriation, he/she will have, as a result, a consistent base to elaborate projects closer to the users’ reality and will. This will possibly result in more acceptance and appropriation of the spaces by their main users, amplifying, thus, the occurrence of public life sphere
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/4399
Aparece nas coleções:PPGAU - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
tese_4733_Dissertação Danielly Cozer Aliprandi20130805-150044.pdf1.65 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.