Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/4434
Título: O habitante e o habitat : a casa senhorial da Corte, da abertura dos portos ao fim do Império
Autor(es): Bosi, Felipe Azevedo
Orientador: Ribeiro, Nelson Pôrto
Palavras-chave: Arquitetura imperial brasileira
Casa senhorial
Data do documento: 10-Mar-2015
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: BOSI, Felipe Azevedo. O habitante e o habitat: a casa senhorial da Corte, da abertura dos portos ao fim do Império. 2015. 204 f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) - Universidade Federal do Espírito Santo, Centro de Artes.
Resumo: Tendo como base uma teleologia do habitat brasileiro, esse estudo visa entender melhor a formação da nossa casa partindo da habitação do período joanino até o final do império. Os espaços são estudados aqui sob a ótica da história da vida privada e do método fenomenológico. A fenomenologia é uma parte da filosofia que tem como fundamento o estudo das essências dos fenômenos. Aqui nos concentramos nas ideias de Husserl e Heidegger e no conceito de Lebenswelt (mundo-da-vida) para entendermos a formação da casa joanina e imperial. Depois foram estudados conceitos fundamentais para o entendimento do espaço, lugar e tempo dentro de um conceito de habitante e habitat. Seguindo, foram realizados estudos sobre os hábitos e ideias que mudaram as habitações dos brasileiros de cada período acompanhados por estudos de casas individuais (o Palácio do Enviado Extraordinário da Áustria, a Casa de Grandjean de Montigny, o Solar da Marquesa de Santos, o Palácio Isabel e a Casa de Rui Barbosa) também de acordo com cada período estudado aqui (Período Joanino, Primeiro Reinado e Segundo Reinado). Todas as edificações analisadas aqui guardam uma relação intrínseca com seus moradores e também demonstram as modificações que ocorrem no habitar e na vida privada brasileira, exemplificando a relação bilateral entre o eu sou e o eu habito, onde a edificação modifica seu habitante e seu habitante a modifica de forma e imprimir seus pensamentos e hábitos nela.
Based on a teleology of the Brazilian habitat, this study aims to understand better the formation of our house, starting from the housing of the Joanino period until the end of the empire. The space is studied here by the optic of private life history and the phenomenology method. Phenomenology is a part of the philosophy that is founded on the study of the essences of the phenomena. Here we concentrate in Husserl’s and Heidegger’s ideas and in the Lebenswelt (world of life) concept to understand the Joanino and the empire house formation. After we studied the fundamental concepts for the understanding of space, place and time within the concept of habitant and habitat. Following, we studied the habits and ideas that changed the homes of Brazilians of each period accompanied by studies of individual houses (the Palace of the Extraordinary Envoy of Austria, The House of Grandjean of Montigny, the Manor of Santos Marchioness, The Isabel’s Palace and the House of Rui Barbosa) also according to each period studied here ( Joanino period, the First Empire and the Second Empire). All the buildings analyzed here keep a close relationship with its residents and demonstrate the changes that occur in inhabit and in the Brazilian private life, exemplifying the bilateral relationship between the "I am" and "I dwell", where the building modifies its inhabitant and its inhabitant modifies the form and print your thoughts and habits in it.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/4434
Aparece nas coleções:PPGAU - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
tese_8726_Felipe Azevedo Bosi.pdf12.72 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.