Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/4518
Título: Estudo genético e de instabilidade genômica da doença Alzheimer em pacientes de Vitória - ES
Autor(es): Belcavello, Luciano
Orientador: Paula, Flavia de
Coorientador: Batitucci, Maria do Carmo Pimentel
Palavras-chave: Doença de Alzheimer
Polimorfismo genético
Micronúcleo germinativo
Malondialdeído
Estresse oxidativo
População
Data do documento: 20-Fev-2014
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Resumo: A doença Alzheimer (DA) é uma desordem neurodegenerativa complexa e a forma mais comum de demência em idosos, sendo caracterizada pela perda progressiva da memória e da função cognitiva. Ainda que sua causa seja desconhecida, os fatores genéticos e o estresse oxidativo desempenham um papel importante na patogênese da DA e alguns estudos citogenéticos mostraram que células de pacientes com DA apresentam níveis aumentados de danos aos cromossomos. Neste estudo caso-controle, objetivou-se investigar se polimorfismos nos genes CLU (rs11136000) e CR1 (rs6701713) estão associados com risco para a DA em uma amostra de 243 indivíduos (82 pacientes com DA e 161 controles idosos saudáveis, pareados por idade e gênero). O ensaio do micronúcleo (MN) com bloqueio da citocinese em linfócitos de sangue periférico e o ensaio do MN em células esfoliadas da mucosa bucal foram utilizados para avaliar as frequências de biomarcadores de danos cromossômicos em 10 pacientes com DA e 10 controles. Adicionalmente, realizou-se o ensaio de substâncias reativas ao ácido tiobarbitúrico para quantificar o nível plasmático de malondialdeído (MDA), um biomarcador de peroxidação lipídica, em uma amostra de 50 indivíduos (25 pacientes com DA e 25 controles). Não foi observada associação dos polimorfismos em CLU e CR1 com risco para DA (p> 0.05). Pacientes com DA apresentaram frequências significativamente aumentadas de biomarcadores de danos cromossômicos avaliadas em linfócitos (MN, pontes nucleoplasmáticas e brotos nucleares) e em células de mucosa bucal (MN, brotos nucleares e células binucleadas) em relação aos controles (p< 0.05). As frequências de biomarcadores de morte celular avaliadas em células de mucosa bucal (cromatina condensada, cariorrexe e picnose) bem como o nível de MDA plasmático foram encontrados significativamente aumentados em pacientes com DA quando comparados com os controles (p< 0.05). Esses resultados reforçam as hipóteses de que a instabilidade genômica e o estresse oxidativo estão envolvidos na etiologia da DA, e podem contribuir significativamente para a degeneração observada nos pacientes.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/4518
Aparece nas coleções:PPGBIO - Teses de doutorado

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
tese_7353_Tese_Luciano Belcavello.pdf2.01 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.