Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/4526
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.advisorDietze, R
dc.date.accessioned2016-08-29T15:34:46Z-
dc.date.available2016-07-11
dc.date.available2016-08-29T15:34:46Z-
dc.identifier.citationTONINI, M. A. L., DESCRIÇÃO DE UM NOVO FOCO DE CALAZAR CANINO AUTÓCTONE NO MUNICÍPIO DA SERRA, REGIÃO METROPOLITANA DE VITÓRIA, ES.por
dc.identifier.urihttp://repositorio.ufes.br/handle/10/4526-
dc.format.mediumtexten
dc.publisherUniversidade Federal do Espírito Santopor
dc.titleDESCRIÇÃO DE UM NOVO FOCO DE CALAZAR CANINO AUTÓCTONE NO MUNICÍPIO DA SERRA, REGIÃO METROPOLITANA DE VITÓRIA, ES.por
dc.typemasterThesisen
dcterms.abstractApesar da Região Metropolitana de Vitória (RMV) ser considerada indene para LV, um recente inquérito soroepidemiológico com cães errantes da RMV, detectou sorologia positiva (Kalazar Detect) em sete de 158 (4,4%) animais, sugerindo a hipótese da existência da LV nesta região. Com o intuito de ratificar estes dados, 201 cães do município da Serra foram investigados para LV, utilizando testes sorológicos, parasitológicos e moleculares. Deste total, 13% (26/201) e 5,97% (12/201) apresentaram respectivamente resultados positivos no teste ELISA in house e Kalazar Detect. Nenhum animal foi soropositivo para os testes RIFI e ELISA (Biomanguinhos). Dois cães soropositivos apresentaram cultura positiva para L.(L.) chagasi e quatro animais apresentaram PCR positivo para o gênero Leishmania. Além disso, um óbito humano por LV foi registrado em associação a dois casos caninos da doença (ambos com Kalazar Detect positivo e um com cultura positiva). A investigação epidemiológica mostrou que ambos os cães foram nascidos e criados na Serra e não possuíam história de viagem para áreas endêmicas para LV. O outro cão com cultura positiva foi capturado pelo Centro de Controle de Zoonoses da Serra a 550 metros da residência da paciente. Apesar da espécie Lu. longipalpis não ter sido encontrada, outras espécies de flebotomíneos foram capturadas: L. edwardsi, L. tupynambai, L. cortelezzii, L. sordellii e L. intermedia. Nossos resultados sugerem fortemente a existência da LV canina autóctone no município da Serra e o primeiro caso autóctone humano neste município, embora não confirmado devido a paciente ser natural de uma área endêmica para a doença. Palavras-chave: leishmaniose visceral canina autóctone - Região Metropolitana de Vitória Estado do Espírito Santo Município da Serra.por
dcterms.creatorTONINI, M. A. L.
dcterms.issued2010-07-27
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Doenças Infecciosaspor
dc.publisher.initialsUFESpor
dc.publisher.courseMestrado em Doenças Infecciosaspor
dc.contributor.refereeFUX, B.
dc.contributor.refereeDIAS, E. S.
dc.contributor.refereeSHAW, J. J.
dc.contributor.advisor-coLEMOS, E. M.
Aparece nas coleções:PPGDI - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_4050_.pdf1.89 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.