Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/4555
Título: Tuberculose e Doença Renal Crônica: Aspectos epidemiológicos e clínicos da convergência de duas epidemias.
Autor(es): SANTOS, B. R.
Orientador: MACIEL, E. L. N.
Palavras-chave: tuberculose
doença renal crônica
transplante renal
Data do documento: 15-Out-2012
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: SANTOS, B. R., Tuberculose e Doença Renal Crônica: Aspectos epidemiológicos e clínicos da convergência de duas epidemias.
Resumo: A doença renal crônica (DRC) já é considerada uma pandemia e indivíduos por ela acometidos possuem um sistema imunológico debilitado e são mais suscetíveis a doenças infecciosas e entre estas a tuberculose (TB) que também é reconhecidamente um problema global de saúde pública. Temos então que indivíduos portadores de DRC possuem um risco reconhecidamente aumentado para a TB e com evidências de que por conta de seu estado de imunossupressão estes indivíduos também possuem um pior desfecho durante o tratamento. Dessa forma, este estudo pretendeu investigar aspectos epidemiológicos e clínicos da convergência da TB e DRC. RESULTADOS: Através de uma revisão sistemática e meta-análise encontramos uma prevalência agrupada de TB em indivíduos com DRC submetidos ao transplante renal de 2,51% (95% IC = 2,17 2,85). No Espírito Santo esta prevalência foi de 1,54% (95% IC 0,71% - 2,38%) e apresentou associação com história prévia de TB, número de episódios infecciosos e uso de sirolimus na imunossupressão inicial. Ainda nesta população o tempo médio para o desenvolvimento de TB após o transplante renal foi de quatro anos e entre os treze indivíduos identificados com TB oito apresentaram doença pulmonar, sete necessitaram de hospitalização e quatro morreram em consequência da TB. Já os fatores que diferenciam as chances de abandono, óbito por TB e óbito por outra causa em relação cura no tratamento da TB, entre indivíduos com DRC no Brasil, foram os estratos etários; alcoolismo; AIDS; estar institucionalizado num presídio; estar sob a terapia de substituição renal transplante; retornar para o tratamento após abandono prévio; possuir um raio X de tórax suspeito para TB; e ter indicação ou ter realizado tratamento diretamente observado. CONCLUSÃO: Os desafios apresentados pela relação entre a TB e os indivíduos com DRC, que vão desde a alta prevalência até um pior desfecho para o tratamento, são imensos e nossos dados ajudam a reforçar a necessidade da implementação de estratégias para controle da TB direcionadas a determinados grupos populacionais, priorizando especialmente os portadores de doenças crônicas não transmissíveis como a DRC. Palavras-chave: tuberculose; doença renal crônica; transplante renal
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/4555
Aparece nas coleções:PPGDI - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_5993_.pdf1.7 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.