Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/4574
Título: Caracterização de cepas hospitalares de enterococcus resistentes à vancomicina (VRE): resistência aos antimicrobianos e fatores de virulência
Autor(es): Coelho, Marcela Rodrigues
Orientador: Nunes, Ana Paula Ferreira
Coorientador: Schuenk, Ricardo Pinto
Data do documento: 26-Set-2013
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: COELHO, Marcela Rodrigues. Caracterização de cepas hospitalares de enterococcus resistentes à vancomicina (VRE): resistência aos antimicrobianos e fatores de virulência. 2013. 69 f. Dissertação (Mestrado em Doenças Infecciosas) - Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2013.
Resumo: Enterococus são cocos Gram-positivos comumente encontrados no trato gastrintestinal de humanos e animais bem como no solo, água e alimentos. Eles constituem um gênero peculiar devido a sua notável capacidade de adquirir novos mecanismos de resistência, destacando-se entre as bactérias de maior versatilidade no cenário atual de resistência bacteriana e entre os principais agentes oportunistas de infecções hospitalares. Enterococo resistente à vancomicina (VRE) foi primeiramente identificado no final da década de 1980 em alguns países europeus. No presente estudo, cem isolados de VRE obtidos de diferentes hospitais da grande Vitória-ES foram pesquisados quanto aos seus genótipos de resistência e fatores de virulência codificados pelos genes ace, efaA, gelE, agg e esp. A presença de genes determinantes de resistência à vancomicina e espécie foram pesquisados pela técnica de reação em cadeia de polimerase (PCR), utilizando diferentes primers específicos (vanA, van B, ddl E. faecalis e ddl E. faecium). A susceptibilidade in vitro à ampicilina, penicilina, estreptomicina, gentamicina, tetraciclina, eritromicina, nitrofurantoina, norfloxacina, ciprofloxacina, teicoplanina, vancomicina e linezolida foi determinada pelo método de disco difusão e a Concentração Inibitória Mínima (CIM) de vancomicina pelo método de Teste E e diluição em ágar. Todos os isolados identificados como VRE eram pertencentes à espécie Enterococcus faecium. Todos os isolados apresentaram CIM de vancomicina >32 μg/ml e tiveram o gene vanA detectado na reação de PCR multiplex. O agente mais ativo in vitro foi a linezolida. A ocorrência de uma alta frequência de resistência múltipla aos antimicrobianos foi detectada entre esses isolados e esse fenótipo foi independente da origem dos mesmos. Muitos fatores de virulência foram descritos em Enterococus, mas pouco se conhece a respeito da virulência de Enterococcus faecium. Os fatores de virulência foram investigados por métodos moleculares. A prevalência dos genes de virulência foi a seguinte: ace (2%), efaA (5%), gelE (3%), agg (2) e esp (62%). Esses resultados mostraram a baixa virulência de E. faecium hospitalar multirresistente. O conhecimento acerca do seu papel na patogênese pode contribuir para o desenvolvimento de novas estratégias de combate a infecções enterocócicas. Palavras-chave: Enterococo resistente à vancomicina, Fatores de virulência, PCR Multiplex, Resistência aos antimicrobianos
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/4574
Aparece nas coleções:PPGDI - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
tese_6886_Dissertação VRE20140108-125519.pdf872.44 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.