Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/4576
Título: AVALIAÇÃO DO TESTE QUANTIFERON TB GOLD in tube NO DIAGNÓSTICO DE INFECÇÃO LATENTE PELO Mycobacterium tuberculosis EM ROFISSIONAIS DE SAÚDE DA ATENÇÃO BÁSICA
Autor(es): SOUZA, F. M.
Orientador: MACIEL, E. L. N.
Palavras-chave: Atenção Básica à Saúde
Profissional de Saúde
Tuberculose
Data do documento: 3-Abr-2014
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: SOUZA, F. M., AVALIAÇÃO DO TESTE QUANTIFERON TB GOLD in tube NO DIAGNÓSTICO DE INFECÇÃO LATENTE PELO Mycobacterium tuberculosis EM ROFISSIONAIS DE SAÚDE DA ATENÇÃO BÁSICA
Resumo: Os ensaios de liberação do interferon- γ (ELIG) surgiram como uma alternativa para o diagnóstico de infecção latente pelo Mycobacterium tuberculosis (ILTB). Neste estudo, nós comparamos o desempenho de um dos ELIG, teste Quantiferon TB Gold in tube QFT, com a prova tuberculínica (PT) em dois pontos de corte (≥ 5 mm e ≥ 10 mm), em profissionais de saúde da atenção básica à saúde (ABS). Métodos: Estudo transversal realizado em profissionais de saúde da ABS de quatro capitais nacionais com alta incidência de TB. O resultado do teste QFT foi comparado com o resultado da PT nos pontos de corte ≥ 5mm e ≥ 10 mm. Resultados: Foram incluídos 632 profissionais de saúde. Ao considerar o ponto de corte ≥ 10 mm para a PT, a concordância entre QFT e a PT foi de 69% (k = 0,31) e para o ponto de corte ≥ 5 mm, a concordância entre os testes foi de 57% (k = 0,22). Devido a baixa concordância entre a PT e o QFT, nós avaliamos os possíveis fatores associados com a discordância entre eles. Ao comparar o grupo PT- / QFT- com o grupo PT+ / QFT-, no ponto de corte ≥ 5 mm, a idade entre 41-45 [OR = 2,70, IC 95%: 1,32-5,51] e 46-64 [OR = 2,04, IC 95%: 1,05-3,93], presença de cicatriz vacinal do BCG [OR = 2,72, IC 95%: 1,40-5,25] e trabalhar apenas na ABS [OR = 2,30, IC 95 %: 1,09-4,86] apresentaram associação estatística significativa. Para o ponto de corte ≥ 10 mm, a presença de cicatriz vacinal do BCG [OR = 2,26, IC 95%: 1,03-4,91], ter tido contato domiciliar com paciente portador de tuberculose ativa [OR = 1,72, IC 95%: 1,01-2,92] e ter feito a PT anteriormente [OR = 1,66, IC 95%: 1,05-2,62] revelaram associação estatística significativa. Curiosamente, a discordância observada no grupo PT- / QFT + não apresentou associação estatistica com nenhuma das variáveis consideradas, independentemente do ponto de corte da PT. Conclusões: Apesar de termos identificado que a vacina BCG contribuiu para a discordância entre os testes, as recomendações brasileiras para o início do ratamento da ILTB não devem ser alteradas devido as limitações do QFT.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/4576
Aparece nas coleções:PPGDI - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_7601_Dissertação_Fernanda.pdf3.29 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.