Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/4595
Título: Estudo molecular de vírus associados à diarreia em crianças quilombolas do norte do Estado do Espírito Santo.
Autor(es): Vicentini, Fernando
Orientador: Spano, Liliana Cruz
Coorientador: Leite, José Paulo Gagliardi
Data do documento: 29-Ago-2013
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: VICENTINI, Fernando. Estudo molecular de vírus associados à diarreia em crianças quilombolas do norte do Estado do Espírito Santo. 2013. 123 f. Tese (Doutorado em Doenças Infecciosas) - Programa de Pós-Graduação em Doenças Infecciosas, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2013.
Resumo: A diarreia é um importante problema de saúde pública e suas consequências são agravadas pela falta de atendimento médico, diagnóstico e tratamento de suporte, expondo sobremaneira as crianças à morte. Este trabalho objetivou realizar uma vigilância entre 2007 e 2010 com detecção seguida de análise filogenética molecular de agentes virais encontrados nas fezes de crianças com (sintomáticas) e sem diarreia (assintomáticas), menores de 12 anos, e a susceptibilidade à infecção por norovírus conforme antígeno de grupo sanguíneo (HBGA). Foi obtido um total de 574 amostras de fezes e pesquisados: (i) rotavírus (RV) por eletroforese em gel de poliacrilamida e ensaioimunoenzimático; (ii) norovírus (NoV), por RT-PCR da região B do genoma viral e genogrupos e genótipos determinados por PCR e sequenciamento, respectivamente, para regiões C e D; (iii) adenovírus (HAdV), por PCR e nested-PCR para gene do hexon, espécie e genótipo analisados com enzima de restrição SalI e sequenciamento e; (iv) astrovírus (AstV), por PCR em tempo real para ORF2. Os fenótipos HBGA foram determinados por gel-centrifugação e os genes FUT2 e FUT3 analisados por PCR e sequenciamento a partir de sangue e saliva, respectivamente, obtidos de crianças infectadas por NoV e de adultos. Nenhuma amostra foi positiva para RV ou AstV enquanto NoV foram detectados em 9,2% (12/131) das crianças sintomáticas e em 1,5% (4/266) das assintomáticas, 50% do total em ≤12 meses, embora estas representassem 10% das amostras obtidas. Genogrupos GI e GII corresponderam a 12,5% e 87,5%, respectivamente, com os seguintes genótipos: GII.4 (25%), GII.12 (25%), GII.6 (12,5%) e GI.1 (6,3%), GI.3 (12,5%) e GI.4 (6,3%). As crianças infectadas com NoV pertenceram aos seguintes fenótipos de HBGA: A (n=6), O (n=6) e B (n=2); 13 deles classificados como secretores (Se) e um, não secretor (se). Foram encontradas mutações Se 40,171,216,357,428,739,960 para o gene FUT2 e mutações Le59, 202, 314 para FUT3. A única criança com fenótipo se, foi infectada por NoV GI, enquanto as Se, foram infectadas por GI e GII. A frequência total de HAdV foi de 27,8% (59/212), com 30,1% (40/133) e 24,1% (19/79) em sintomáticas e assintomáticas, respectivamente. As 33 amostras das crianças sintomáticas pertenceram às seguintes espécies: 3 (9.1%) A, 6 (18,2%) B, 18 (54,5%) C, 2 (6,1%) D, 4 (12,1%) F. HAdV-F e HAdV-A constituiram 20% do total e infectaram somente crianças ≤5 anos. HAdV-F ocorreu igualmente entre as sintomáticas e assintomáticas. HAdV-E e G não foram detectadas. Em conclusão, este estudo mostrou: (i) taxas de infecção por NoV em crianças quilombolas sintomáticas e assintomáticas consistentes com outros estudos, no entanto, as ≤12 meses foram sete vezes mais afetadas do que aquelas 1-5 anos; (ii) NoV GII.12 foi tão frequente quanto GII.4 e os genótipos GI.1 e GI.4 foram descritos pela primeira vez no Brasil; (iii) perfil de HBGA revelou população idêntica à dos outros continentes, incluindo a única mutação até então, exclusiva de negros africanos e nenhum padrão de susceptibilidade ou resistência associada ao HBGA foi inferida para os NoV e; (iv) HAdV-F e HAdV-A foram responsáveis por 1/5 do total dos tipos HAdV e HAdV-F41 foi excretado igualmente entre sintomáticos e assintomáticos. Este é o primeiro estudo no Brasil sobre RV, NoV, HAdV e AstV em crianças quilombolas através de caracterização molecular das estirpes, o que permitiu detectar a alta frequência de HAdV e ampla diversidade genética entre NoV e HAdV e aparente ausência de circulação de RV e AstV nas crianças das comunidades quilombolas. PALAVRA-CHAVE: Crianças Quilombolas, filogenia molecular, gastrenterite viral, HAdV (Adenovirus humano), HBGA (Antígenos de grupo histo-sanguíneo), NoV (Norovirus).
Diarrhea is a major public health problem and its consequences are aggravated by lack of medical care, diagnosis and treatment support, greatly exposing children to death. This study aimed to conduct a surveillance between 2007 and 2010 followed by detection and molecular phylogenetic analysis of viral agents found in the feces of children with (symptomatic) and without diarrhea (asymptomatic), under 12 years, and the susceptibility to norovirus infection according to blood group antigen (HBGA). A total of 574 fecal samples were obtained and searched for: (i) rotavirus (RV), by polyacrylamide gel electrophoresis and enzyme immunoassay (ii) norovirus (NoV), by RT-PCR of the B viral genome region and genotypes and genogroups determined by PCR amplification and sequencing, respectively, for the regions C and D; (iii) adenovirus (HAdV), by PCR and nested-PCR for the hexon gene, species and genotype analysed by restriction enzyme SalI and sequenced and; (iv) astrovirus (AstV), by real-time PCR for ORF2. HBGA phenotypes were determined by gel-spinning and FUT2 and FUT3 genes, analyzed by PCR and sequencing from blood and saliva, respectively, obtained from children infected with NoV and adults.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/4595
Aparece nas coleções:PPGDI - Teses de doutorado

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
tese_6754_Tese.pdf2.87 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.