Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/4838
Título: Crescimento inicial, trocas gasosas e status hídrico de clones de eucalipto sob diferentes regimes de irrigação.
Autor(es): TATAGIBA, S. D.
Palavras-chave: eucalipto
clone
déficit hídrico
variáveis climáticas
Data do documento: 24-Fev-2006
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: TATAGIBA, S. D., Crescimento inicial, trocas gasosas e status hídrico de clones de eucalipto sob diferentes regimes de irrigação.
Resumo: O objetivo desse estudo foi avaliar o efeito do déficit hídrico sobre as características de crescimento: diâmetro do coleto; altura das plantas; área foliar; relação raiz/parte aérea; matéria seca de: folhas, haste e ramos, raízes e total; e as características fisiológicas das trocas gasosas (fotossíntese líquida, condutância estomática, transpiração) e potencial hídrico foliar, em seis clones de eucalipto (1, 2, 3, 4, 5 e 6) crescendo em vasos plásticos de diâmetro de 42 cm e altura de 72 cm, com aproximadamente 100 dm3, de modo a subsidiar a seleção desses materiais genéticos para estabelecimento em áreas com disponibilidade diferenciada de água no solo. Foram avaliadas algumas variáveis climáticas durante todo o período experimental, a fim determinar a condição no ambiente em estudo. As plantas cresceram nos vasos com teor de água próximo a capacidade de campo por um período de 150 dias, quando, então, foram iniciados os manejos hídricos diferenciados até o final do experimento que durou cerca de 250 dias. Os manejos hídricos aplicados foram: sem déficit - manutenção dos vasos próximo à capacidade de campo ao longo de todo o período experimental, ou seja, 250 dias; déficit 1 - corte da irrigação aos 150 dias de experimentação, durante 45 dias e posterior retomada da irrigação por mais 55 dias; déficit 2 - corte da irrigação aos 150 dias de experimentação, prolongando até o final do experimento (100 dias de déficit hídrico). O clone mais afetado pela deficiência hídrica foi o 3, apresentando menor acúmulo de matéria seca total e maior redução em área foliar, provocada principalmente pela abscisão foliar. Contrariamente, os clones 1, 2, 4 foram os mais tolerantes aos efeitos do déficit hídrico, em razão de terem apresentado maior acúmulo de matéria seca total. De modo geral, o déficit hídrico promoveu a redução dos valores da fotossíntese, condutância estomática, e transpiração foliar de todos os clones. Os clones 1, 2 e 4 apresentaram os valores mais altos de potencial hídrico foliar nas plantas submetidas ao déficit hídrico ao longo das campanhas realizadas, mostrando obter mecanismos eficientes no controle de perda de água, já que apresentaram as menores taxas transpiratórias e menores valores de condutância estomática. Pressupõe-se que o aparato fisiológico destes clones permita alcançar um menor consumo de água, favorecendo a planta a suportar um período mais longo de déficit hídrico, e possibilitando uma maior conversão de CO2 atmosférico em carboidrato por período maior de tempo. O clone 3 apresentou menores valores de fotossíntese, condutância estomática e transpiração quando submetido ao déficit hídrico nas duas campanhas realizadas. O clone 6 apresentou maior transpiração no nível de manejo sem déficit e sob déficit em relação aos demais clones, sugerindo elevado consumo de água pelas plantas. Após a retomada da irrigação, todos os clones recuperaram suas taxas fotossintéticas similares às registradas pelos clones mantidos sem déficit, contribuindo para acréscimos na matéria seca total das plantas.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/4838
Aparece nas coleções:PPGPV - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_3379_Sandro Dan tatagiba.pdf1.06 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.