Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/5017
Título: ANÁLISE DO MODELO DE CAPACIDADE DE INFILTRAÇÃO VARIÁVEL (VIC) PARA AS BACIAS DOS RIOS SANTA MARIA DA VITÓRIA E JUCU
Autor(es): CAMPANHARO, W. A.
Orientador: CECILIO, R. A.
Coorientador: ZANETTI, S. S.
Palavras-chave: 1
Hidrologia
2
Bacias hidrográficas - Manejo - Espírito S
Data do documento: 30-Ago-2013
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: CAMPANHARO, W. A., ANÁLISE DO MODELO DE CAPACIDADE DE INFILTRAÇÃO VARIÁVEL (VIC) PARA AS BACIAS DOS RIOS SANTA MARIA DA VITÓRIA E JUCU
Resumo: CAMPANHARO, Wesley Augusto. Análise do modelo de Capacidade de Infiltração Variável (VIC) para as bacias do rio Santa Maria da Vitória e Jucu. 2013. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais) Universidade Federal do Espírito Santo, Alegre-ES. Orientador: Prof. Dr. Roberto Avelino Cecílio. Co-orientador: Prof. Dr. Sidney Sára Zanetti. A modelagem hidrológica é uma técnica que possibilita o melhor entendimento e representação do comportamento hidrológico de bacias. O modelo hidrológico de Capacidade de Infiltração Variável(VIC) é um modelo de macroescala, o qual simula os processos de transferência vertical de água e energia. O objetivo do presente trabalho foi avaliar a aplicabilidade do VIC para duas bacias hidrográficas do estado do Espírito Santo, tomadas pelo Governo Estadual como prioritárias para estudos hidrológicos: Jucu e Santa Maria da Vitória. Para tanto, obteve-se informações de solo, vegetação e clima, que posteriormente foram agregadas a informações de relevo para obter os dados de vazão simulada. Inicialmente, separou-se 5 anos de dados climáticos (1992 a 1996) para o processo de calibração do VIC, que envolveu tanto a obtenção da melhor resolução, quanto a melhor combinação dos parâmetros calibráveis. Este processo se deu por meio da comparação entre as vazões simuladas e observadasde postos fluviométricos existentes nas duas bacias. De posse das melhores combinações entre os parâmetros de entrada encontrados para cada posto fluviométrico, realizou-se o processo de teste de desempenho do modelo, que consistiu em verificar a aderência das vazões simuladas pelo VIC com aquelas medidas, em uma novasérie de 5 anos (1997 a 2001). Com o melhor conjunto resolução/combinação,foram realizadas simulações de alterações de uso do solo, considerando-se três cenários diferentes: CM1 considera a aplicação do projeto corredores ecológicos na região; CM2 considera o aumentode 20% na cobertura florestal; CM3 considera o aumentode 50% na cobertura florestal.Para as 1024 combinações testadas, apenas para o posto da bacia hidrográfica do rio Santa Maria da Vitória,foram observados valores positivos do coeficiente de eficiência de Nash.O período do teste do desempenho do modelo apresentou o mesmo comportamento; porém, a simulação de vazões mínimas e médias teve comportamento melhor. Ao se analisar as modificações nas vazões provenientes de cada cenário simulado, observou-se uma diminuição no escoamento superficial e no deflúvio,na medida em que se incrementou a cobertura florestal. O presente trabalho obteve resultados insatisfatórios para dois de três postos de controle, e para simulação de vazões mínimas e médias, podendo ser reflexo do tipo de calibração, juntamente com o conjunto de possíveis erros inerentes aos arquivos de entrada e/ou deficiência de parametrização do modelo hidrológico. Palavras-chave: recursos hídricos; gestão territorial; modelagem hidrológica
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/5017
Aparece nas coleções:PPGCF - Dissertações de Mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_6789_Dissertação_WesleyACampanharo.pdf2.62 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.