Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/5097
Título: Placa de osso bovino na osteossíntese de tíbia de coelhos: avaliação biomecânica ex-vivo
Autor(es): Drago, Manuela Aleluia
Orientador: Freitas, Patricia Maria Coletto
Coorientador: Silva, Rosana Vilarim
Palavras-chave: Implantes ortopédicos
Biocompatibilidade
Ossos - enxerto
Fraturas - tratamento
Biomecânica
Orthopedic implants
Biocompatibility
Bone – grafts
Fractures – treatment
Biomechanics
Data do documento: 6-Set-2011
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Resumo: O uso de materiais produzidos a partir de osso bovino tem sido proposto na confecção de implantes como pinos, placas e parafusos, por promoverem as mesmas funções de um enxerto ósseo, ou seja, serem osteoindutores e osteocondutores. Entretanto, aspectos estruturais e mecânicos devem ser estudados previamente ao uso in vivo de implantes de osso. Portanto, o objetivo desse estudo foi avaliar o comportamento mecânico, por meio do ensaio mecânico de flexão, de placas produzidas a partir osso cortical bovino, no reparo de fratura de tíbia de coelhos ex vivo. Para tal, 26 placas foram confeccionadas a partir de osso cortical bovino e conservadas em solução de sal a 150%. Foram utilizados três grupos para estudo: grupo GP (n=10), composto pelas placas ósseas; grupo GTP (n=16), tíbias de coelhos osteotomizadas e estabilizadas com placas ósseas e quatro parafusos; grupo GT (n=10), tíbias intactas. No ensaio biomecânico de flexão em três pontos, verificou-se a tensão máxima, deflexão máxima e rigidez. Os resultados foram submetidos ao teste de Kruskal-Wallis (p<0,05) e ao teste de Dunn. Comparando GT com o GTP, observou-se redução de 80% na tensão máxima. Também se notou redução de 87% na tensão máxima ao comparar GP com o GTP. Verificou-se que a placa de osso bovino possuiu maior tensão máxima que a tíbia do coelho. Houve redução a 52% na rigidez do GTP em relação ao GT. Não observou-se diferença significativa nesta propriedade entre GPT e GP. Observou-se diferença significativa entre os três grupos com relação à deflexão máxima, onde notou-se aumento de 100% e 30% nos grupos GTP e GP, respectivamente, em relação ao GT. Pode-se concluir que placas ósseas, no reparo de fratura de tíbia de coelhos ex vivo obtiveram propriedades mecânicas inferiores, quando comparada à tíbia intacta.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/5097
Aparece nas coleções:PPGCV - Dissertações de Mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_5256_.pdf366.42 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.