Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/5214
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.advisorFernandes, Valéria de Oliveira-
dc.date.accessioned2016-08-29T15:38:18Z-
dc.date.available2016-07-11-
dc.date.available2016-08-29T15:38:18Z-
dc.identifier.citationMAMÃO, Mônica Alves. Ecologia do fitoplâncton de um rio tropical (Rio São Mateus, ES). 2012. 117 f. Dissertação (Mestrado em Biodiversidade Tropical) - Universidade Federal do Espírito Santo, Centro Universitário Norte do Espírito Santopor
dc.formattexteng
dc.languageporeng
dc.publisherUniversidade Federal do Espírito Santopor
dc.subjectFitoplanctopor
dc.subjectLimnologiapor
dc.subjectRiospor
dc.subjectEcologiapor
dc.titleEcologia do Fitoplâncton de um Rio Tropical (rio São Mateus, ES)por
dc.typemasterThesisen
dc.subject.udc502-
dcterms.abstractOs múltiplos usos dos ecossistemas fluviais podem provocar a ruptura do seu gradiente contínuo natural. Políticas de biomonitoramento e/ou detecção de impactos antrópicos são necessários para a manutenção da qualidade da água dos rios. O presente estudo foi desenvolvido no rio São Mateus, localizado na região norte do estado do Espírito Santo, Brasil, e teve como objetivos: 1) avaliar o gradiente de continuidade de um ambiente lótico tropical através das variáveis limnológicas em trecho com usos múltiplos; 2) avaliar a conectividade entre as estações amostrais através da estrutura da comunidade fitoplanctônica e verificar quais variáveis abióticas mais influenciaram esta comunidade; 3) avaliar o uso de grupos funcionais como indicadores da qualidade ecológica do rio São Mateus. Seis estações amostrais em um trecho do rio São Mateus foram determinadas: duas a montante da cidade (SM01, SM02), duas ao longo da cidade (SM03 e SM04) e duas imediatamente a jusante da cidade (SM05 e SM06). Amostras de água foram coletadas na sub-superfície da coluna dágua para análises físicas, química, físico-química e da comunidade fitoplanctônica. As estações SM05 e SM06, submetidas à influência da piscicultura intensiva e ao lançamento de grande volume de efluentes, respectivamente, apresentaram valores mais elevados da maioria das variáveis limnológicas analisadas e foram consideradas mesotróficas, enquanto as outras estações foram consideradas oligotróficas. As Análises de Componentes Principais (ACP) separaram as estações SM05 e SM06 das demais estações relacionando-as com elevados valores das variáveis limnológicas e do índice de estado trófico. As estações amostrais SM05 e SM06 apresentaram a maior biomassa e dominância de Polymyxus coronalis Bailey. Além disso, essas duas estações apresentaram maior similaridade florística. Foram identificados nove grupos funcionais: X1, X2, Y, LO, D, TB, TD, W2 e C. As Análises de Correspondência Canônica (ACC) separou as estações SM05 e SM06 relacionando-as com elevada biomassa de Bacillariophyceae e Cryptophyceae, biomassa total, com o grupo funcional D e as variáveis como nitrogênio total, condutividade elétrica, sólidos totais em suspensão, ortofosfato e o índice de estado trófico. Dessa forma, concluí-se que, principalmente, o lançamento de efluentes domésticos e industriais e a piscicultura intensiva resultaram no rompimento de continuidade no rio São Mateuspor
dcterms.creatorMamão, Mônica Alves-
dcterms.issued2012-02-15-
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Biodiversidade Tropicalpor
dc.publisher.initialsUFESpor
dc.subject.cnpqCiências Biológicaspor
dc.publisher.courseMestrado em Biodiversidade Tropicalpor
dc.contributor.advisor-coFelisberto, Sirlene Aparecida-
Aparece nas coleções:PPGBT - Dissertações de Mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
tese_5371_versao final Mônica Mamão.pdf3.97 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.