Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/5375
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.advisorBORGES, L. H.
dc.date.accessioned2016-08-30T10:49:58Z-
dc.date.available2016-07-11
dc.date.available2016-08-30T10:49:58Z-
dc.identifier.citationBEATO, R. B., Ser Médico Negro no Espírito Santo: Resignificando Identidades Sociais e Étnicas.por
dc.identifier.urihttp://repositorio.ufes.br/handle/10/5375-
dc.format.mediumtexten
dc.publisherUniversidade Federal do Espírito Santopor
dc.titleSer Médico Negro no Espírito Santo: Resignificando Identidades Sociais e Étnicas.por
dc.typemasterThesisen
dcterms.abstractEstudo exploratório sobre trabalho médico e estratégias de enfrentamento das desigualdades sociorraciais. Analisa a trajetória profissional de oito médicos negros formados e residentes no Espírito Santo, de diferentes gerações. Os objetivos foram identificar particularidades da trajetória profissional de médicos negros do Espírito Santo, decorrentes de sua condição étnica; identificar situações de discriminação racial vivenciadas no trabalho; identificar estratégias de enfrentamento da discriminação racial e das desigualdades sociais no trabalho, construídas por eles; examinar as relações entre as vivências de discriminação racial e de desigualdade social no trabalho, com a percepção de sofrimento psíquico. Utiliza entrevistas semiestruturadas para a coleta de dados empíricos e a análise de conteúdo das respostas. Utiliza as categorias sociológicas racismo, preconceito racial e discriminação racial para aproximação do objeto de estudo ser médico negro. Aborda a escolha, a formação e o exercício profissional dos sujeitos do estudo, articulados ao sofrimento psíquico e às formas de enfrentamento do racismo, da discriminação racial e do preconceito racial. Enfoca possíveis diferenciais na produção de subjetividade do ser negro na profissão médica, na construção de identidades sociais e étnicas. As hipóteses de racismo, discriminação racial e preconceito racial na sociedade capixaba puderam ser exploradas no estudo. Conclui que a profissão médica não está entre aquelas às quais a população negra tem acesso, mas a possibilidade de reconhecimento devido a esforços e méritos individuais faz com que seja escolhida por pessoas negras para melhoria de capital econômico e simbólico, sem que isto seja garantia de não mais estar exposto a condições de racismo.por
dcterms.creatorBEATO, R. B.
dcterms.issued2006-12-18
dcterms.subjectDesigualdades sociorraciaispor
dcterms.subjectTrabalho médicopor
dcterms.subjectpor
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Saúde Coletivapor
dc.publisher.initialsUFESpor
dc.publisher.courseMestrado em Saúde Coletivapor
dc.contributor.refereeLIMA, R. C. D.
dc.contributor.refereeCOLBARI, A. L.
Aparece nas coleções:PPGASC - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_2510_2004_Rosaura Bandeira Beato.pdf396.02 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.