Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/5406
Título: Risco Ocupacional dos Agentes Comunitários de Saúde Envolvidos no Controle da Tuberculose no Município de Cachoeiro de Itapemirim
Autor(es): MOREIRA, T. R.
Orientador: MACIEL, E. L. N.
Palavras-chave: Tuberculose
Risco Ocupacional
Teste Tuberculínico
Data do documento: 24-Out-2008
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: MOREIRA, T. R., Risco Ocupacional dos Agentes Comunitários de Saúde Envolvidos no Controle da Tuberculose no Município de Cachoeiro de Itapemirim
Resumo: O contato com paciente com tuberculose configura-se em um risco aumentado de contaminação para os profissionais de saúde envolvidos. Com o objetivo de avaliar o risco ocupacional dos Agentes Comunitários de Saúde envolvidos no controle da Tuberculose no Município de Cachoeiro de Itapemirim-ES uma coorte prospectiva foi iniciada em abril de 2007 e concluída em maio de 2008 composta por Agentes Comunitários de Saúde expostos ou não a pacientes com tuberculose no período de suas atividades profissionais. A incidência da viragem nos dois grupos foi alta correspondendo a 41,67% no grupo dos expostos e 13,51% no grupo dos não expostos. O risco anual de infecção foi de 52,8% no grupo dos expostos e 14,4% no grupo dos não expostos. Observou-se relação significante entre viragem tuberculínica e exposição ao paciente com tuberculose (RR= 3,08 IC95% 1,201 7,914)demonstrado pela realização de visitas domiciliares (coeficiente correlação de Pearson 0,370 significância 0,003) e acompanhamento de pacientes com tuberculose no decorrer de seu trabalho (coeficiente correlação de Pearson 0,383 significância 0,002). O treinamento dos ACS não foi capaz de sustentar permanentemente o conhecimento dos mesmos sobre os sintomas da tuberculose e sua forma de contágio. Somente a variável realização de busca ativa está relacionada à capacitação anterior (RR=1,55 IC95% 1,06 2,30). A implementação de medidas administrativas de biossegurança de rotina, entre as quais a prova tuberculínica, devem ser priorizadas, considerando o alto risco de TB entre os ACS. Os ACS devem ser incluídos em processos de Educação Permanente em Saúde (EPS) que tenham impacto significativo na incidência da doença nesses profissionais.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/5406
Aparece nas coleções:PPGASC - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_2980_2006_TIAGO RICARDO MOREIRA.pdf5.29 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.