Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/5412
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.advisorAMORIM, M. H. C.
dc.date.accessioned2016-08-30T10:50:04Z-
dc.date.available2016-07-11
dc.date.available2016-08-30T10:50:04Z-
dc.identifier.citationLEITE, F. M. C., Estratégias de Enfrentamento Vivenciadas Por Mulheres Com Diagnósticode Cancêr de Mama em Uso de Tamoxifenopor
dc.identifier.urihttp://repositorio.ufes.br/handle/10/5412-
dc.format.mediumtexten
dc.publisherUniversidade Federal do Espírito Santopor
dc.titleEstratégias de Enfrentamento Vivenciadas Por Mulheres Com Diagnósticode Cancêr de Mama em Uso de Tamoxifenopor
dc.typemasterThesisen
dcterms.abstractA neoplasia mamária gera na mulher um conjunto de esforços cognitvos e comportamentais que tem como objetivo desencadear estratégias de enfrentamento a fim de lidar com as demandas internas e externas. Por ser um processo dinâmico e exigir respostas em cada fase da doença torna-se fundamental que a mulher adquira habilidades de enfrentamento para lidar com o contexto estressante da doença. Neste sentido, o presente estudo teve como objetivos: identificar as estratégias de enfrentamento vivenciadas por mulheres com diagnóstico de câncer de mama em uso de tamoxifeno e examinar a relação entre as modalidades de enfrentamento e as variáveis sócio-demográficas, clínicas e ginecológicas. Trata-se de um estudo descritivo, transversal de caráter quantitativo. Foram entrevistadas 270 mulheres atendidas no ambulatório do Hospital Santa Rita de Cássia, Vitória-ES. Para coleta dos dados foi utilizada a técnica de entrevista com registro em formulário, Escala de Modo de Enfrentamento de Problema e instrumento de classificação econômica (ABEP). A variável estadiamento foi obtida tendo como fonte o prontuário. Os dados foram analisados por meio do Pacote Estatístico para Ciências Sociais (SPSS) versão 13.0 (2004). Os resultados demonstram que a estratégia de enfrentamento focado no problema é a mais utilizada pelas mulheres e as variáveis idade, escolaridade, local de residência, renda familiar, PREMMA, efeitos colaterais quanto ao uso do tamoxifeno, classe econômica, tipo de tratamento, fase de início do tratamento e estadiamento influenciam quanto ao tipo de estratégia de enfrentamento utilizada uma vez que apresentaram significância estatística (p<0,0001). Verificou-se que aspectos sócio-demográficos e clínicos podem influenciar no tipo de estratégia predominantemente utilizada pela mulher, visto que os mesmos podem ser fatores estressores percebidos no dia-a-dia.por
dcterms.creatorLEITE, F. M. C.
dcterms.issued2008-11-07
dcterms.subjectNeoplasia de mamapor
dcterms.subjectAdaptaçãopor
dcterms.subjectTamoxifenopor
dcterms.subjectpor
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Saúde Coletivapor
dc.publisher.initialsUFESpor
dc.publisher.courseMestrado em Saúde Coletivapor
dc.contributor.refereeVASCONCELLOS, E. G.
dc.contributor.refereeCASTRO, D. S.
Aparece nas coleções:PPGASC - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_3008_2007_Franciéle Marabotti Costa.pdf933.66 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.